Alho-Porro

Alho-Porro

O alho-porro (Allium porrum) é cultivado largamente em toda a Península Hispânica. O pequena bolbo, de escassa reprodução, dispõe de um grande número de raízes fibrosas e brancas, sem ramificações na terra. Folhas grandes, lineares e de nervuras longitudinais rodeiam os bolbos que ficam enterrados no chão. A partir de Junho extraem-se do solo os bolbos com folhas e talos. Para o Inverno, colocam-se as plantas em lugar protegido, ao ar livre ou no sótão. Como a planta se tem de manter fresca para o seu consumo imediato, não é recomendável a dessecação. Composição e propriedades A matéria activa principal é um óleo enxofrado o essencial (óleo de alho) que,.

Mudanças nas condições de vida, trabalho e residência

Mudanças nas condições de vida, trabalho e residência

Insuficiente radiação solar As mudanças mencionadas levaram a uma ligação deficiente do corpo com o ambiente natural, com o mundo que nos cerca. É assim que especialmente a população urbana sofre de uma radiação solar insuficiente. Por cima de todas as grandes cidades, nomeadamente nas de tipo industrial, forma-se uma camada constituída por poeira, fuligem e fumo que absorve os raios ultravioletas do sol, com a consequência de uma radiação insuficiente e, por isso, de uma escassa formação de vitaminas na pele dos seus habitantes. Tomamos com os alimentos, por exemplo, as provitaminas D, a ergosterina, que se depositam na pele e que vão sempre necessitando da actuação dos raios ultravioletas.

Mastruço

Mastruço

Resta falar do mastruço (Lepidium sativum), membro da família das Crucíferas. A semente germina muito facilmente, inclusive sobre papel mata-borrão, areia húmida ou serradura, desde que tenha humidade suficiente. Como esta delicada planta, com o seu crescimento comparável ao da relva, pode cultivar-se em estufas com muita facilidade, já se pode encontrar à venda logo nos primeiros meses do ano. Pode utilizar-se a planta completa ou o seu suco para a primeira cura vegetal da Primavera, porque o seu teo em vitamina C, clorofila, ferro, arsénico e glicósidos de óleo de mostarda, que também se encontram nos alhos-porros, rábanos vermelhos e na mostarda, faz com que o mastruço seja próprio.

Groselhas Espim

Groselhas Espim

A groselheira espim (Ribes grossularia) pertence à família das Saxifragáceas. Há uma grande variedade com diferentes nomes, conforme as regiões. A groselheira espim cultivada que conhecemos começou a sê-lo nos fins do século 16. Há hoje muitas variedades, conforme a cor (vermelha, amarela, verde, branca) e a superfície (lisa, lanosa, espinhosa). Aplicações terapêuticas Diz-se muitas vezes que a groselha espim só se deve comer cozida. Esta suposição deriva das más consequências de se consumirem grandes quantidades de bagas cruas, sem estarem maduras. O fruto maduro não só é totalmente inócuo, como também é de sabor refrescante e de alto valor medicinal. O conteúdo considerável de celulose de combinação com a.

Espinafres

Espinafres

O espinafre (Spinacia oleracea) é uma Quenopodiácea, que provavelmente procede do Oriente. Cultivam-se na Península Ibérica, em grande quantidade, o espinafre comum ou de Inverno (Spinacia oleracea), e o espinafre da Holanda ou de Verão (Spinacia glabra) com propriedades semelhantes. Composição e propriedades Como em todas as hortaliças de folhas, o espinafre não possui um conteúdo extraordinário de substâncias nutritivas. Em 100 g de espinafre figuram 93 g de água, 23 g de proteínas, 0,3 g de gordura, e 1,8 g de hidrocarbonatos, e apenas umas 20 calorias. É, porém, importante o seu rico conteúdo de vitaminas, valiosos minerais em forma de sais, clorofila, oligoelementos e fermentos. Do que vamos.