Endívia

Endívia

A endívia (Cichorium endívia), também da família das Compostas, constitui, com as suas folhas grandes densamente frisadas, uma planta para salada nos fins do Outono e Inverno, muito apreciada nestas épocas. A variedade mais frequente de folhas, cuja cor vai do verde ao amarelo, oferece às vezes um leve sabor amargo, que é considerado por muita gente como mais um incentivo. É precisamente este elemento amargo que produz o efeito de aumentar a actividade da vesícula biliar e de actuar como diurético.

Beterraba

Beterraba

A beterraba vermelha (Bela vulgaris cruenta rubra) é uma variedade de beterraba comum. A sua raiz grossa e carnuda contém um suco vermelho sanguíneo. Composição A beterraba apresenta um teor de hidrocarbonatos de 6 a 9%, figurando entre eles sacarose, frutose e rafinose; embora pese ao seu escasso teor em proteína (de 1.10 a 1,8 %), a verdade é que figuram nele os aminoácidos de grande valor biológico: asparraguina, glutamina e glucocola. e um excesso de bases, devido ao seu teor em potássio, sódio, magnésio e cálcio; também se conhece a presença de dois metais raros (rubidio e césio), cujo significado biológico ignoramos completamente. Há que ter também presente o.

Arandos encarnados

Arandos encarnados

A família das Eriáceas fornece-nos arandos encarnados (Vaccinium vitis idaea). Aparecem em turfeiras, de preferência em solos pouco calcários, em prados e bosques. O arando encarnado floresce de Maio a Agosto, formando pequenos arbustos vivazes, cujas bagas se colhem em Julho, em cubas ou cestos. Formam cachos, e tem um sabor levemente ácido; são aromáticos e adstringentes. Composição Como substâncias activas e estruturais, encontram-se em suas folhas arbutina, metilarbutina, ericolina e tanino e nos bagos muitos ácidos de tanino e outros orgânicos.   Modo de actuar e aplicações Como planta curativa, por causa do conteúdo em arbutina e metilarbutina, podem empregar- se as folhas dos arandos encarnados nas inflamações dos.

Chicória

Chicória

Uma variedade de cultivo da chicória é a branca. É a «Cichorium Intybus L.», frequente no Centro e Sul de Portugal, em campos secos e cultivados, conhecida pelo nome de chicória amarga. É muito amarga, de modo que o mais pertinente é cortar e esvaziar a extremidade do talo, pois é ali que se acumulam principalmente os componentes amargos. É claro que isto só se faz quando se quer prescindir de tais matérias amargas, que são precisamente as que excitam o apetite e aumentam a secreção biliar. A indicação frequente de lavar os talos e tirar-lhes o sabor amargo com água quente pode fazer com que o amargor se torne.