Segurelha

Segurelha

A segurelha comum (Satureia hortensis), da família das Labiadas, e cultivada e apresenta-se como subespontânea em diversos pontos de Portugal. A planta corta-se durante a floração, dependura-se em ramos e poe-se a secar num lugar ventilado. A força de especiaria é maior quando só se cortam e secam as folhas arrancadas dos talos. Os ramos da segurelha conservam-se num sítio seco ou cortados dentro de latas bem fechadas. Esta planta não tem grandes exigências com respeito à espécie do solo. Semeia-se na Primavera em filas a 20 cm de distância; germina em catorze dias, sendo a capacidade de germinação aproximadamente de 70 %. A colheita faz-se durante o período da.

Cerefolho

Cerefolho

A família das Umbelíferas apresenta-nos o Corefolho ou Cerefólio (Anthriscus cerefolium), originária do Sul da Rússia. A planta não só está relacionada com a salsa, como também é muito parecida com ela. Pode cultivar-se em qualquer horta. O mais prático é repetir valias vezes a sementeira entre Março e princípios do Verão em terreno sombrio, em filas separadas umas das outras, à distância de uns quinze a vinte centímetros. Por cada metro quadrado são precisos uns dois gramas de sementes (mil sementes pesam de 1,7 a 2,3 g). Devem estar húmidas para lhes favorecer o desenvolvimento. A germinação dura de duas a três semanas. A humidade dos grãos é de.

Beterraba

Beterraba

A beterraba vermelha (Bela vulgaris cruenta rubra) é uma variedade de beterraba comum. A sua raiz grossa e carnuda contém um suco vermelho sanguíneo. Composição A beterraba apresenta um teor de hidrocarbonatos de 6 a 9%, figurando entre eles sacarose, frutose e rafinose; embora pese ao seu escasso teor em proteína (de 1.10 a 1,8 %), a verdade é que figuram nele os aminoácidos de grande valor biológico: asparraguina, glutamina e glucocola. e um excesso de bases, devido ao seu teor em potássio, sódio, magnésio e cálcio; também se conhece a presença de dois metais raros (rubidio e césio), cujo significado biológico ignoramos completamente. Há que ter também presente o.

Mastruço

Mastruço

Resta falar do mastruço (Lepidium sativum), membro da família das Crucíferas. A semente germina muito facilmente, inclusive sobre papel mata-borrão, areia húmida ou serradura, desde que tenha humidade suficiente. Como esta delicada planta, com o seu crescimento comparável ao da relva, pode cultivar-se em estufas com muita facilidade, já se pode encontrar à venda logo nos primeiros meses do ano. Pode utilizar-se a planta completa ou o seu suco para a primeira cura vegetal da Primavera, porque o seu teo em vitamina C, clorofila, ferro, arsénico e glicósidos de óleo de mostarda, que também se encontram nos alhos-porros, rábanos vermelhos e na mostarda, faz com que o mastruço seja próprio.

Cenouras

Cenouras

A cenoura silvestre (Daticus carota), tal como cresce em solos pobres, à beira dos caminhos e nas entulheiras, não desempenha nenhum papel na alimentação nem na medicina. Pelo contrário, a cenoura cultivada (Danais carota varsaliva) de tubérculo grosso e polposo, é com toda a razão muito popular. Composição e propriedades Não é muito sabido que as cenouras não só conferem valores nutritivos, mas que também têm um valioso teor em vitaminas, minerais e oligoelementos. A sua melhor característica parece ser o seu elevado teor em caroteno, a provitamina A, ao passo que a vitamina A já formada figura em pequena quantidade. É também abundante o seu teor em factores do.