Molhos doces

Molhos doces

Molho de rosa silvestre Três colheres grandes de doce de rosa silvestre, meio litro de sumo e maça ou de uva (ou meio litro de água com sumo de limão), três colheres grandes de farinha de batata. O doce de rosa silvestre dilui-se no sumo de maçã ou de uva e coze-se até ficar espesso com farinha de batata. Pode-se diluir o doce também em água, mas acrescentando sumo de limão. E muito conveniente para pudim de sêmola, arroz e pão, assim como para sanduíches, torradas, etc. Molho doce de azeda Duas colheres grandes bem cheias de farinha, um pouco de leite, duas ou três colheres grandes de azedas bem.

Assados e fiambres vegetarianos

Assados e fiambres vegetarianos

Tomates assados 200g de pão integral ou pão branco, 200 g de puré de tomate, 25 g de cebola, meio dente de alho, um punhado de ervas silvestres e de especiaria (salsa, borragem, urtiga, um pouco de salva e de artemísia), dois ovos, de 50 a 100g de manteiga, um pouco de sal e miolo de pão. Embebe-se O pão integral ou branco num puré de tomate, que deve ser o mais espesso possível e pica-se à mão ou mecanicamente com as cebolas, o alho e as ervas silvestres ou de especiaria, para se conseguir uma massa, o mais fina possível. Bate-se esta massa firmemente com os ovos, a manteiga derretida.

Massas para sopa

Massas para sopa

Grumos de ervas de cheiro Dois ovos, duas colherinhas de farinha, sal a gosto, duas colheres de ervas de cheiro. Balem-se até formar espuma as gemas de ovo, juntam-se as claras em ponto de neve, assim como a farinha, o sal e as ervas de cheiro muito pitadas; deita-se depois ludo isto na sopa fervendo, deixa-se cozer durante alguns minutos, volta-se e retira-se passados poucos minutos, partindo-se depois aos pedaços Bolas de sêmola De dois a três papo-secos, de 30 a 40 g de azeite, de um a dois ovos, sal, duas colheres grandes de ervas de cheiro. Demolham-se os papo-seco em água e espremem-se bem, mexendo depois ao lume.

O gérmen de trigo remédio para os nervos

O gérmen de trigo remédio para os nervos

Os gérmen de trigo, além das tantas vezes repetidas vitaminas e minerais, contém um grupo de matérias que o nutricionista localizou e que chamou auxonas. São o material para o crescimento, multiplicação celular e regeneração nos organismos animais, que hoje despertam grande interesse. Se as auxonas faltarem, fica muito afetado o metabolismo. Se também faltar a vitamina B1 o metabolismo cessa absolutamente. As consequências serão a velhice prematura e a morte. Se, faltando as auxonas, persistir o consumo de vitamina B1, chega-se à descalcificação, à vida vegetativa ou à meso trofia (seminutrição), como tecnicamente é expressada. A presença deste material em quantidade suficiente leva, por outro lado, a uma convalescença.