Alho-Porro

Alho-Porro

O alho-porro (Allium porrum) é cultivado largamente em toda a Península Hispânica. O pequena bolbo, de escassa reprodução, dispõe de um grande número de raízes fibrosas e brancas, sem ramificações na terra. Folhas grandes, lineares e de nervuras longitudinais rodeiam os bolbos que ficam enterrados no chão. A partir de Junho extraem-se do solo os bolbos com folhas e talos. Para o Inverno, colocam-se as plantas em lugar protegido, ao ar livre ou no sótão. Como a planta se tem de manter fresca para o seu consumo imediato, não é recomendável a dessecação. Composição e propriedades A matéria activa principal é um óleo enxofrado o essencial (óleo de alho) que,.

Cerefolho

Cerefolho

A família das Umbelíferas apresenta-nos o Corefolho ou Cerefólio (Anthriscus cerefolium), originária do Sul da Rússia. A planta não só está relacionada com a salsa, como também é muito parecida com ela. Pode cultivar-se em qualquer horta. O mais prático é repetir valias vezes a sementeira entre Março e princípios do Verão em terreno sombrio, em filas separadas umas das outras, à distância de uns quinze a vinte centímetros. Por cada metro quadrado são precisos uns dois gramas de sementes (mil sementes pesam de 1,7 a 2,3 g). Devem estar húmidas para lhes favorecer o desenvolvimento. A germinação dura de duas a três semanas. A humidade dos grãos é de.

Regime cru

Regime cru

Salada de maçãs e laranjas Descascam-se as maçãs e as laranjas, curtam-se às rodelas, deita-se–lhes açúcar e põem-se em camadas sobrepostas. Tiram-se cuidadosamente as sementes das laranjas. Deixa-se a salada durante algum tempo até ficar bem embebida. Se não ficar bastante sumarenta, pode juntar-se-lhe um pouco de sumo de maçã. Para terminar, polvilha-se com uma colher grande de germes de trigo ou de noz ralada. Salada de maçãs e de banana Cortam-se em partes iguais às rodelas maçãs e bananas, colocam-se em camadas alternas numa travessa funda e junta-se sumo de maçã. Se se empregarem bananas secas, põem-se em água de véspera, deitando depois esta água na salada com um.

Dente de Leão

Dente de Leão

O conhecido e para nós valiosíssimo dente de leão (Taraxacum officinale), da família das Compostas, é muito comum em Portugal, em lugares húmidos, prados, etc. Desde a Primavera ate ao Verão já adiantado, podem colher-se as folhas, urna a uma, depositando as em cestos. Há que evitar qualquer pressão nas folhas. Estendem-se o mais depressa possível, formando camadas finas, em lugares à sombra para secarem. As raízes são desenterradas na Primavera e no Outono, separando-se das folhas e das radículas ainda existentes; lavam-se cuidadosamente e deixam-se secar depois no chão durante dez ou doze dias. Para as secar depois por completo, aplica se-lhes calor artificial. Depois da seca, a folha.

Borragem

Borragem

A família das Borragináccas proporciona-nos como saborosa especiaria vegetal a borragem (Burrago Oficinalis). Espontânea e cultivada encontra-se em quase toda a Península Ibérica. Antes e durante a floração cortam-se as folhas à tesoura, pois só se empregam frescas como condimento ou como aditamento a uma salada. As folhas secas perdem sabor e são de conservação difícil. Cortam-se de Junho a Agosto e secam-se o mais rapidamente possível. As flores, empregadas muitas vezes como elemento decorativo, também se colhem. A sementeira faz-se na Primavera em filas; a distância entre os sulcos deve ser de 25 cm. O mais prático é fazer várias sementeiras seguidas, porque as folhas jovens são as mais.