Verduras silvestres

Verduras silvestres

Receita básica para verduras silvestres Um quilo de verduras, 50 g de azeite, 30 a 40 g de farinha, de um oitavo a um quarto de litro de leite, nata ou leite coalhado, cerca de um litro de caldo ( água ou caldo de verdura)  eventualmente cebola ou alho porro. As verduras muito picadas refogam-se primeiramente em gordura. Completa-se depois com água ou caldo. Mistura-se a farinha com o leite ou a nata e juntam-se as verduras. Cozem-se estos depois e temperam-se. Se se quiser, refogam-se com as verduras, cebolas ou alho porro muito picados. Ou então: As verduras silvestres cozem-se brevemente em água temperada de sal, com uma cebola.

Borragem

Borragem

A família das Borragináccas proporciona-nos como saborosa especiaria vegetal a borragem (Burrago Oficinalis). Espontânea e cultivada encontra-se em quase toda a Península Ibérica. Antes e durante a floração cortam-se as folhas à tesoura, pois só se empregam frescas como condimento ou como aditamento a uma salada. As folhas secas perdem sabor e são de conservação difícil. Cortam-se de Junho a Agosto e secam-se o mais rapidamente possível. As flores, empregadas muitas vezes como elemento decorativo, também se colhem. A sementeira faz-se na Primavera em filas; a distância entre os sulcos deve ser de 25 cm. O mais prático é fazer várias sementeiras seguidas, porque as folhas jovens são as mais.

Pepino

Pepino

O pepino (Cucumis sativus), como a abóbora, pertence à família das Cucurbiláceas. Composição A ideia bastante espalhada de que o pepino carece de valor nutritivo é equivocada. Não se pode, decerto, classificar o pepino de «nutritivo» no sentido vulgar, pois é muito pobre nos chamados elementos de massa: proteína, gordura e fécula. Consiste principalmente de água, mas pode provar-se a presença nela e em dissolução de vitaminas e minerais, tão importantes numa alimentação completa, como os factores de massa. Com razão se tem popularizado o pepino como alimento em muitas preparações. Os pepinos exercem três efeitos característicos no organismo humano: o diurético, o laxante e o depurativo, que participam proporcionalmente.

Onagra

Onagra

Também a família da Oenoteráceas nos oferece uma planta útil, cujo nome mais vulgar é o de onagra (Oenotfiera bienais). A onagra procede da América do Norte e chegou à Europa em 1614, aclimatando-se desde há muito tempo como planta de cozinha e de adorno. As suas sementes propagaram-se com o desenvolvimento do caminho de ferro por toda a Europa, de modo que hoje a onagra recobre as margens das instalações ferroviárias. Composição e propriedades Como maiorias activas descobriram-se: fitosterina, provavelmente álcool arílico, parafina, resina, globagena, tanino, açúcar invertido, pentosanas, invertina, mucilagem, etc. Nas flores: fitosterina, um corante amarelo e outros (Wehmer). As análises conhecidas ate agora são muito deficientes..

Tupinambo

Tupinambo

O tupinambo ou girassol batateiro (Helianthus luberosus) pertence à família das Compostas. Esta planta, originária da América do Norte, jazeu muito tempo no esquecimento, mas hoje volta a pensar-se nela e fomenta-se a sua cultura. O tupinambo desenvolve-se bem onde se dá a batata. Inclusivamente em solos pedregosos e de escasso valor, e até em terrenos arenosos. Composição No tubérculo encontra-se, segundo nutricionistas, aglutinina, que se denominou fasina. Há também 1,87 % de proteína, 0,2% de gordura, 16,4 % de hidrocarbonalos, 79,1 % de água. O conteúdo em minerais corresponde ao da batata. Os lupinambos possuem, portanto, um excesso em componentes básicos (de acção alcalina). Regista-se a presença de vitaminas,.