Rábano-Silvestre

Rábano-Silvestre

O rábano silvestre (Cochlearia armoracia) pertence à família das Crucíferas e dá-se em toda a Europa, nascendo nos lugares húmidos. Condições prévias para o seu bom desenvolvimento são um lugar quente e um solo adubado, solto e húmido. Consegue-se a reprodução de preferência mediante a mergulhia de raízes, em princípios de Abril, em terreno livre, à distância de trinta centímetros. Entrado o Outono, em Outubro ou Novembro, descobrem-se nas raízes de várias cabeças, dispondo todas elas de grandes rebentos, limpando-as de radículas, de talos e de terra, lavando-se depois cuidadosamente. Devem consumir-se frescas, embora se possam conservar, em despensas, sem se lavarem e em areia. Princípios activos O elemento activo.

Salgadura

Salgadura

Salgadura Mediante a salgadura podemos conservar ervas frescas. As folhas ou raízes frescas picam-se, cortando-as o mais possível, não sobre uma tábua mas numa superfície de porcelana ou numa lousa. As ervas picadas misturam-se depois com sal (para 1 quilo de ervas, 150g de sal), apertam-se fortemente em frascos de vidro ou de barro e recobrem-se com uma camada de sal. Fecham-se os recipientes com celofane ou papel-pergaminho e colocam-se em lugares frescos e secos. Assim é possível ter durante o Inverno ervas frescas salgadas como condimentos para saladas. Não é preciso deitar sal nos alimentos quando se cozinham, para não lhes prejudicar o sabor. É de recomendar não pôr.

Onagra

Onagra

Também a família da Oenoteráceas nos oferece uma planta útil, cujo nome mais vulgar é o de onagra (Oenotfiera bienais). A onagra procede da América do Norte e chegou à Europa em 1614, aclimatando-se desde há muito tempo como planta de cozinha e de adorno. As suas sementes propagaram-se com o desenvolvimento do caminho de ferro por toda a Europa, de modo que hoje a onagra recobre as margens das instalações ferroviárias. Composição e propriedades Como maiorias activas descobriram-se: fitosterina, provavelmente álcool arílico, parafina, resina, globagena, tanino, açúcar invertido, pentosanas, invertina, mucilagem, etc. Nas flores: fitosterina, um corante amarelo e outros (Wehmer). As análises conhecidas ate agora são muito deficientes..

Alho-Porro

Alho-Porro

O alho-porro (Allium porrum) é cultivado largamente em toda a Península Hispânica. O pequena bolbo, de escassa reprodução, dispõe de um grande número de raízes fibrosas e brancas, sem ramificações na terra. Folhas grandes, lineares e de nervuras longitudinais rodeiam os bolbos que ficam enterrados no chão. A partir de Junho extraem-se do solo os bolbos com folhas e talos. Para o Inverno, colocam-se as plantas em lugar protegido, ao ar livre ou no sótão. Como a planta se tem de manter fresca para o seu consumo imediato, não é recomendável a dessecação. Composição e propriedades A matéria activa principal é um óleo enxofrado o essencial (óleo de alho) que,.

escorcioneira preta

escorcioneira preta

A escorcioneira preta (Scorzonera hispânica) da família das Compostas, encontra-se espalhada por toda a Espanha e também em Portugal (Trás-os-Montes e Beira), embora não abundantemente, entre pedregulhos, rochas e colinas secas. O suco leitoso, de sabor doce, tem sido pouco estudado cientificamente, e até agora conhece-se entre os seus elementos constitutivos a presença de um glicósido (inulina), asparraguina e colina. Sob o ponto de vista médico, pouco se pode dizer acerca dos seus efeitos. A medicina popular fala de efeitos sedativos para o sistema nervoso, ajudando o sono. A planta é bianual? o primeiro rebento só produz raízes delgadas, mas muito tenras, e o segundo, outras mais grossas e duras.