Manjerona

Manjerona

A manjerona (Origamim majorana) pertence à família das Labiadas; é de origem africana e encontra-se subespontânea ou cultivada em todo o Portugal. A manjerona necessita de um solo leve, mas nutritivo. É excelente o solo pantanoso ou semi-pantanoso. No cultivo da horta, semeiam-se as sementes (que é melhor misturar com areia) em Março, em alfobres. Depois das geadas de Março-Abril faz-se a transplantação para terreno livre, distanciando a planta 20 a 40 centímetros. Com bom tempo são possíveis duas colheitas em média. Nas zonas que oferecem perigo de geadas pode proceder-se à sementeira directa em sulcos, na Primavera. A capacidade germinativa é de 70 a 90 %. A germinação produz-se.

Alho-Porro

Alho-Porro

O alho-porro (Allium porrum) é cultivado largamente em toda a Península Hispânica. O pequena bolbo, de escassa reprodução, dispõe de um grande número de raízes fibrosas e brancas, sem ramificações na terra. Folhas grandes, lineares e de nervuras longitudinais rodeiam os bolbos que ficam enterrados no chão. A partir de Junho extraem-se do solo os bolbos com folhas e talos. Para o Inverno, colocam-se as plantas em lugar protegido, ao ar livre ou no sótão. Como a planta se tem de manter fresca para o seu consumo imediato, não é recomendável a dessecação. Composição e propriedades A matéria activa principal é um óleo enxofrado o essencial (óleo de alho) que,.

Faia (Landes Da)

Faia (Landes Da)

A faia (Fagus sylvatica) encontra-se em várias regiões da Península Ibérica, onde tem várias designações. Pertence, como o castanheiro, de que já falámos, à família das Fagáceas. Os conhecidos frutos triangulares de cor parda-avermelhada constituem um alimento muito cobiçado pela fauna dos bosques, sendo infelizmente pouco apreciados pelo homem. Não é aconselhável o consumo de grandes quantidades destas landes, porque produzem, às vezes, dores de cabeça e náuseas. A casca contem fagina, matéria tóxica para homens e animais. O óleo, depois de quente, fica liberto de produtos nocivos e pode empregar-se vantajosamente na cozinha, como qualquer azeite.

Mastruço

Mastruço

Resta falar do mastruço (Lepidium sativum), membro da família das Crucíferas. A semente germina muito facilmente, inclusive sobre papel mata-borrão, areia húmida ou serradura, desde que tenha humidade suficiente. Como esta delicada planta, com o seu crescimento comparável ao da relva, pode cultivar-se em estufas com muita facilidade, já se pode encontrar à venda logo nos primeiros meses do ano. Pode utilizar-se a planta completa ou o seu suco para a primeira cura vegetal da Primavera, porque o seu teo em vitamina C, clorofila, ferro, arsénico e glicósidos de óleo de mostarda, que também se encontram nos alhos-porros, rábanos vermelhos e na mostarda, faz com que o mastruço seja próprio.

Hera-Terrestre

Hera-Terrestre

A hera-terrestre (Glechoma hederacea) encontra-se em Trás-os-Montes, Minho e Beira, em lugares húmidos e sombrios. Em Maio e Junho, extraem-se do solo as plantas em flor, limpando-as de raízes e de terra e recolhendo-as em cestos. As plantas que têm galhas (excrecências carnosas) não se podem aproveitar. Secam-se em lugares à sombra e ventilados, colocando as folhas numa só camada. Deve conservar-se a cor da planta. A folha cheira a especiaria e tem um sabor amargo. Conserva-se em saquinhos. Composição e propriedades Corno substâncias activas encontraram-se ato hoje: 0,06 % de um óleo essencial verde escuro, resina, cera, 3 % de gordura, 2,5 % de açúcar e tanino. Pelo seu.