Vitamina E

Vitamina E

Denominação química Tocoferol Função característica Vitamina da reprodução, antiesterelizante.  Modo de actuação Regula o metabolismo da glândula pituitária (hipófise) e influi assim sobre o metabolismo dos hidratos de carbono, do hidrogénio e, sobretudo, dos órgãos sexuais. Actua, também, sobre o metabolismo muscular, sobre os vasos capilares, facilitanto a sua renovação e melhorando a circulação. É importante, além disso, o efeito regenerador nos tecidos conjuntivos.  Fontes naturais Grãos de cereal e seus azeites, legumes e verduras, gemas de ovo, leite e manteiga.  Necessidades diárias no homem Não se sabe, com segurança. Calcula-se para o menino de peito em 5 mg e para o adulto de 10 a 25 mg.  Fenómenos produzidos.

Beringela

Beringela

As beringelas {Solanum melongena) são parentes próximos do tomate. Supõe-se que a sua pátria de origem foram as índias Ocidentais e cultivam-se hoje abundantemente no Sul da Europa e nos trópicos. Características e emprego Os frutos empregam-se para saladas, ou então fritos, cortados às rodelas, recobertos ou não. A polpa, de cor amarela-esverdeada, torna-se tão suave e delicada quando é cozida ou assada que se desfaz na língua. Contem apenas algumas fibras indigeríveis e tem um aroma agradável. No que diz respeito ao conjunto da sua composição nutritiva, é bastante parecida com a abóbora. Contém 1,3% de proteínas, 0,2 % de gorduras, 4,8 % de hidratos de carbono e 92.

Natureza da doença

Natureza da doença

Em termos gerais, a diabetes é uma doença do metabolismo, na qual o organismo não está em condições de assimilar o açúcar da alimentação. No intestino transformam-se em glicose todas as espécies de féculas ingeridas com os alimentos. A glicose procedente do intestino já não se transforma no fígado nem nos músculos dos diabéticos em forma de glicogênio, mas é simplesmente eliminada pela urina. A presença de glicose na urina é o sintoma característico da dita doença. Normalmente, o fígado acumula a glicose ingerida transformando a glicogênio, que, por sua vez, segundo as necessidades do organismo, e por estímulo da adrenalina, é decomposto de novo em glicose, sendo então queimada.

Sono natural e narcose

Sono natural e narcose

Em princípio, os únicos meios seguros para fazer dormir os pacientes foram o ópio e, um pouco mais tarde, a morfina, extraída daquele. Por isso se considerou um valioso enriquecimento da farmacopeia a descoberta, em 1869, do hidrato de cloral, que permitia ao medico prescindir em muitos casos da morfina, que implicava o perigo nada despiciendo de provocar a habituação. A imensa maioria dos soníferos deriva de um reduzido número de combinações químicas que provocam o complexo efeito narcótico, ou seja, que o seu principal resultado é a paralisação do cérebro com perda do conhecimento. A seguir, tem lugar a paralisação das regiões mais profundas do cérebro. E esse desaparecimento.

Ação das vitaminas

Ação das vitaminas

As enormes exigências orgânicas durante a gravidez e, sobretudo, durante o parto, impõem um grande consumo de vitaminas do grupo B, especialmente de vitamina B1, fator imprescindível para os processos químicos na transmissão de impulsos pelo sistema nervoso e no metabolismo muscular. O curso normal da gravidez e do parto está relacionado com a abundância de vitaminas, especialmente do grupo B e vitamina C. Na prática, está perfeitamente demonstrada a insuficiência da vitamina B e C nos casos de transtornos no parto ou de esgotamento durante o mesmo. Se, pelo contrário, se subministram grandes quantidades de vitamina, desaparece o esgotamento e as contrações são vigorosas e rítmicas, com o que.