Açafrão

15 Abr 2017
Comments
Açafrão

A origem do açafrão (Crocus sativus) tem de se procurar no Oriente. Pertence à família das Iridáceas. O açafrão é pouco cultivado em Portugal. O que farmacêuticamente se conhece por açafrão (Crocus) são os estigmas secos e vermelhos que pendem em todo o seu comprimento das flores. Para um quilo de açafrão são necessárias 100 000 flores. Por isso o seu preço é muito elevado e falsifica-se com frequência. Composição e aplicações As matérias activas até hoje conhecidas são a crocina, a picroína, que dá origem a um óleo essencial, e ainda o caroteno, o licopeno e ricos hidrocarboretos alifáticos (segundo Madaus). O açafrão mostra claros efeitos sobre a matriz..

Tomilho

08 Jan 2017
Comments
Tomilho

O tomilho (Thymus vulgaris) é comum em Portugal, sobretudo nas zonas mais ou menos áridas. Pouco antes de florir, cortam-se-lhe as folhas em dias quentes e cheios de sol, a partir do meio-dia, e rente ao chão. Para o consumo culinário basta colher geralmente algumas folhas soltas. Num sótão arejado secam-se rapidamente as folhas arrancadas dos talos, voltando-as com frequência. O tomilho seco adquire uma forte cor verde e tem um cheiro marcado de especiaria. A conservação efectua-se em caixas, latas ou recipientes de vidro hermeticamente fechados. Composição Os elementos activos até agora conhecidos são o óleo essencial até 1,7%, que contém sobretudo uns 50% de timol, um pouco de.

Ceboleta Francesa

11 Ago 2016
Comments
Ceboleta Francesa

A ceboleta francesa (Allium shoenoprasum) pertence à Família das Liliáceas. Cultivado e espontâneo em regiões montanhosas. A ceboleta francesa silvestre pode colher-se entre a Primavera e o Outono, cortando-se em pequenos tufos à superfície do solo. Quanto possível empregar-se-á crua, visto que ao secar perde muito do seu valor como condimento. Se se quer secar, deve proceder-se lenta e cuidadosamente. A planta prefere o solo calcário, rico em húmus e um pouco húmido. A partir de Março começa a sua cultura com a sementeira em alfobres ou em vasos. As plantas já fortes transplantam-se. Outro meio de reprodução é a plantação de estacas de raiz no Outono, que se enterram.

Alface de Cordeiro

27 Jun 2016
Comments
Alface de Cordeiro

A alface de cordeiro (Valerianella otitoria) pertence à família das Valerianáceas. É muito frequente nos campos cultivados e pousios de Trás-os-Montes e Beira Litoral. A alface de cordeiro torna-se uma planta valiosa nas hortas pequenas, visto poder substituir durante todo o Inverno a alface comum. Em 100 g contém 42 mg de vitamina C, 0,4 g de gordura, 2,7 g de hidrocarbonatos, 13,1 g de albumina e numerosos sais. Como planta medicinal, a alface de cordeiro não desempenha um papel de importância. Como alimento, esta planta é muito apreciada, pois dela se pode dispor numa época do ano em que se encontram poucas hortaliças ou verduras ricas em vitaminas. Pode.

Borragem

22 Mai 2016
Comments
Borragem

A família das Borragináccas proporciona-nos como saborosa especiaria vegetal a borragem (Burrago Oficinalis). Espontânea e cultivada encontra-se em quase toda a Península Ibérica. Antes e durante a floração cortam-se as folhas à tesoura, pois só se empregam frescas como condimento ou como aditamento a uma salada. As folhas secas perdem sabor e são de conservação difícil. Cortam-se de Junho a Agosto e secam-se o mais rapidamente possível. As flores, empregadas muitas vezes como elemento decorativo, também se colhem. A sementeira faz-se na Primavera em filas; a distância entre os sulcos deve ser de 25 cm. O mais prático é fazer várias sementeiras seguidas, porque as folhas jovens são as mais.