Juncinha mansa

Juncinha mansa

Uma planta alimentar de grande interesse é a juncinha mansa (Cyperus esculentus), tubérculo de uma ciperácea, que em Portugal também é conhecida por junça de comer, juncinha avelanada e chufa. Embora botânicamente não possa figurar entre os frutos de noz, temos de a incluir aqui por causa da sua semelhante aplicação. Este tubérculo constitui, como a soja, uma rara concentração de alimentos. Composição e propriedades Além de ser uma planta herbácea, dá vida a numerosos tubérculos de grande riqueza nutritiva, cuja análise sobre matéria seca dá os seguintes valores: gordura, 20-24 %; proteína bruta 3-6,5 %; fibra bruta, 15.23 %; féculas, 2-3%; vitaminas (especialmente H e P) e numerosas enzimas..

Excesso de gorduras animais

Excesso de gorduras animais

Gorduras «refinadas»  O abandono dos azeites vegetais tem tido, como consequência, graves males, o que nos deve obrigar a prestar a maior atenção a uma sã alimentação com as gorduras. Os adultos necessitam, diariamente, de 50 a 80g de gordura. Esta quantidade preenche-se, geralmente, com manteiga, gordura de carne, gordura vegetal consistente (azeite, óleo de coco, de palma) e margarina. São todas elas gorduras «consistentes»; sob o ponto de vista químico muito saturadas é, por isso, difíceis de transformação nos processos metabólicos. Pressupõem o perigo de se irem depositando, inconvenientemente, nas camadas inferiores da pele, sendo, assim, a origem da obesidade. Todos os azeites fluidos considerados quimicamente são mais ou menos.

Fundamentos da acumulação de gordura

Fundamentos da acumulação de gordura

Não vamos falar aqui da obesidade causada evidentemente pela inatividade e superalimentação, isto é, devida à falia de movimentos e ao consumo excessivo de alimentos ricos em gorduras e que portanto, só se pode corrigir mediante mais trabalho corporal e mais parca alimentação. As nossas reflexões vão mais dirigidas para os numerosos enfermos que, apesar de realizarem um forte exercício físico e comerem pouco, acumulam, contudo, quantidades molestas de gordura. As gorduras ingeridas com os alimentos passam momentaneamente sem transformação pelo estômago (como todos sabem, consumidos em grande quantidade tornam o estômago pesado), e é só no duodeno que se transformam numa fina emulsão sob a influência da bílis e,.

Pêssegos

Pêssegos

O pessegueiro (Prunus pérsica) pertence à família das rosáceas e, contra o que poderia facilmente deduzir-se do seu nome latino, a verdade é que não é procedente da Pérsia, mas sim do Norte da China. Composição O conteúdo em princípios nutritivos e calorias dos pêssegos é muito parecido com o dos damascos, conforme se pode apreciar no seguinte quadro comparativo. Conteúdo por 100 gramas de:   VITAMINAS   Proteínas Gorduras Hidratos de carbono Calorias A U.I B1 grama B2 grama C Mg PP Mg Damascos frescos 0.8 0.1 12 50 2000 30 50 8 0.7 Pêssegos frescos 0.7 0.2 12 55 500 30 50 8 0.9 Pêssegos secos 3 0.6.

Fígado

Fígado

Doenças hepáticas e o seu tratamento geral Encontramos hoje frequentes alterações nas várias funções hepáticas: secreção da bílis, defesa anti-infecciosa, funções anti-tóxicas, regeneração do sangue, processos de formação e desintegração no metabolismo de proteínas, açúcares ou gorduras. As possibilidades de perturbação do metabolismo do fígado, esse grande e complicado laboratório do corpo humano, são tão numerosas que provavelmente só as conhecemos numa pequena parte. No regime de cura dai enfermidades hepáticas, ocupa hoje lugar de destaque a alimentação ou plano dietético oportunos. Todas as doenças do fígado começam com um metabolismo defeituoso e o melhor modo de influir nesta função é a alimentação. A maior parte dos actuais medicamentos de.