Tomates

Tomates

O conhecido tomate (Solanum lycopersicum) pertence à família das Solanáceas. Procede do Peru. O número de variedades desta solanácca que se encontra em Portugal é muito grande, de acordo com a intensidade com que é cultivado. As mais importantes são: a corrente, de tamanho médio (5 a 10 cm), comprimidos pelos planos superior e inferior; o redondo, bastante pequeno (2-3 cm) de polpa muito apertada; o oblongo, piriforme; o monstro, notável pelo tamanho que pode chegar a pesar um quilo e que tem uma rodela cinzenta em torno do pedúnculo. Descobriu-se, recentemente, nos talos e folhas de todas as plantas de tomate uma substância antifúngica, a «tomatina», que não só.

Melão

Melão

Muito próximo do pepino, o melão (Cucumis melo) procede das zonas tropicais da Ásia e da África, e pertence à família das Cucurbitáceas. Os melões apresentam-se nos países quentes em grandes quantidades de formas e de variedades. Composição, propriedades e usos A composição nutritiva dos melões é a seguinte: proteínas, 0,7-1 %; gorduras, 0,25-0,33 %; hidratos de carbono, 2-6 %; água 90 %. Nesta última fracção encontram-se 8 mg % de sódio, 75 mg % de potássio, 11 mg % de cálcio, 3 mg % de magnésio e 1 mg % de ferro. Entre as vitaminas é de interesse o teor em vitamina A, com 600 U. I. em 100.

Valor curativo das verduras de salada

Valor curativo das verduras de salada

As folhas frescas e verdes são a parte da planta em que os misteriosos efeitos da Natureza têm o seu reflexo mais vital. Encontra-se nelas o imenso e maravilhoso laboratório bio- químico em que se efectua o processo, que constitui a premissa básica e geral de toda a vida sobre a terra, a transformação das energias do solo e da terra em potencial alimentar. Muitos deles não são hoje ainda conhecidos, muitos supôem-se, e muitos outros escapam de um modo total aos nossos métodos de investigação e de análise. A folha é pobre em factores nutritivos, rica em clorofila, sais minerais, vitaminas e oligoelementos. A sua albumina tem o mais.