Salva

Salva

A salva (Salvia officinalis) é um representante da família das Labiadas. Encontra-se, presentemente, em quase todo o Portugal, embora não seja muito abundante. O cultivo é possível em qualquer terreno, porque a planta não é muito exigente. A reprodução efectua-se mediante espeques de plantas antigas ou por sementes. A sementeira tem de ser feita em campos livres ou em alfobres. Com 20 g de sementes conseguem-se plantas para uma superfície de 100 m2. O peso de mil grãos de semente vem a ser de 5,8 a 8,9 gramas. Os cortes repetidos e abundantes favorecem o crescimento da folhagem. A partir do segundo ano conseguem-se normalmente colheitas abundantes. Num are podem.

Endívia

Endívia

A endívia (Cichorium endívia), também da família das Compostas, constitui, com as suas folhas grandes densamente frisadas, uma planta para salada nos fins do Outono e Inverno, muito apreciada nestas épocas. A variedade mais frequente de folhas, cuja cor vai do verde ao amarelo, oferece às vezes um leve sabor amargo, que é considerado por muita gente como mais um incentivo. É precisamente este elemento amargo que produz o efeito de aumentar a actividade da vesícula biliar e de actuar como diurético.

Eucalipto

Eucalipto

A família das Mirtáceas conta com numerosas espécies de Eucaliptos, género originário da Austrália e amplamente cultivado na Ásia e na América. Numerosas plantações destas árvores têm sido efectuadas com o objectivo de sanear os terrenos pantanosos na luta contra o paludismo, particularmente na Itália. O eucalipto é uma árvore que cresce rapidamente e pode atingir grande altura, chegando em casos de corpulência gigantesca a 155 metros. Composição e propriedades Da casca de eucalipto obtém-se, mediante incisões, uma resina que se torna muito espessa depois de algumas horas, endurecendo pela acção do sol. Este produto chama-se quina. A quina é uma espécie de goma que se obtém igualmente do Eucaliptus.

Armole

Armole

Pertence à família das Quenopodiáceas (Chenopodium bonus Henricus). Também chamada, nalguns países, pé de vaca, espinafre silvestre e língua de cão. Frequente em zonas areentas e alagadiças, principalmente do litoral. Como planta medicinal é pouco usada actualmente, e não há motivo para que o seja. As folhas que podem colher-se quando não há outro vegetal disponível empregam-se como o espinafre, e aproveitam-se nas sopas de ervas silvestres.

Tomilho

Tomilho

O tomilho (Thymus vulgaris) é comum em Portugal, sobretudo nas zonas mais ou menos áridas. Pouco antes de florir, cortam-se-lhe as folhas em dias quentes e cheios de sol, a partir do meio-dia, e rente ao chão. Para o consumo culinário basta colher geralmente algumas folhas soltas. Num sótão arejado secam-se rapidamente as folhas arrancadas dos talos, voltando-as com frequência. O tomilho seco adquire uma forte cor verde e tem um cheiro marcado de especiaria. A conservação efectua-se em caixas, latas ou recipientes de vidro hermeticamente fechados. Composição Os elementos activos até agora conhecidos são o óleo essencial até 1,7%, que contém sobretudo uns 50% de timol, um pouco de.