Armole

Armole

Pertence à família das Quenopodiáceas (Chenopodium bonus Henricus). Também chamada, nalguns países, pé de vaca, espinafre silvestre e língua de cão. Frequente em zonas areentas e alagadiças, principalmente do litoral. Como planta medicinal é pouco usada actualmente, e não há motivo para que o seja. As folhas que podem colher-se quando não há outro vegetal disponível empregam-se como o espinafre, e aproveitam-se nas sopas de ervas silvestres.

Tomilho

Tomilho

O tomilho (Thymus vulgaris) é comum em Portugal, sobretudo nas zonas mais ou menos áridas. Pouco antes de florir, cortam-se-lhe as folhas em dias quentes e cheios de sol, a partir do meio-dia, e rente ao chão. Para o consumo culinário basta colher geralmente algumas folhas soltas. Num sótão arejado secam-se rapidamente as folhas arrancadas dos talos, voltando-as com frequência. O tomilho seco adquire uma forte cor verde e tem um cheiro marcado de especiaria. A conservação efectua-se em caixas, latas ou recipientes de vidro hermeticamente fechados. Composição Os elementos activos até agora conhecidos são o óleo essencial até 1,7%, que contém sobretudo uns 50% de timol, um pouco de.

Hera-Terrestre

Hera-Terrestre

A hera-terrestre (Glechoma hederacea) encontra-se em Trás-os-Montes, Minho e Beira, em lugares húmidos e sombrios. Em Maio e Junho, extraem-se do solo as plantas em flor, limpando-as de raízes e de terra e recolhendo-as em cestos. As plantas que têm galhas (excrecências carnosas) não se podem aproveitar. Secam-se em lugares à sombra e ventilados, colocando as folhas numa só camada. Deve conservar-se a cor da planta. A folha cheira a especiaria e tem um sabor amargo. Conserva-se em saquinhos. Composição e propriedades Corno substâncias activas encontraram-se ato hoje: 0,06 % de um óleo essencial verde escuro, resina, cera, 3 % de gordura, 2,5 % de açúcar e tanino. Pelo seu.

Levístico

Levístico

O levístico (Levisticum officinale) pertence às Umbelíferas. Não e muito exigente quanto ao clima e desenvolve-se mesmo em ambientes agrestes. Semeia-se na Primavera, em sulcos. Depois de criar raízes, transplanta-se na Primavera ou Outono a distâncias de 35 a 50 cm. Como para o consumo caseiro bastam poucas plantas, o melhor é procurar-se estacas de raiz e plantá-las directamente no terreno conveniente. As folhas cortam-se de Junho a Agosto para o consumo caseiro. No Outono e na Primavera desenterram-se as raízes. As folhas estendem-se numa só camada e deixam-se secar. As raízes devem ser lavadas primeiro, depois cortadas e, finalmente, atadas em feixes, dependurando-se para secarem em lugar bem ventilado..

Eucalipto

Eucalipto

A família das Mirtáceas conta com numerosas espécies de Eucaliptos, género originário da Austrália e amplamente cultivado na Ásia e na América. Numerosas plantações destas árvores têm sido efectuadas com o objectivo de sanear os terrenos pantanosos na luta contra o paludismo, particularmente na Itália. O eucalipto é uma árvore que cresce rapidamente e pode atingir grande altura, chegando em casos de corpulência gigantesca a 155 metros. Composição e propriedades Da casca de eucalipto obtém-se, mediante incisões, uma resina que se torna muito espessa depois de algumas horas, endurecendo pela acção do sol. Este produto chama-se quina. A quina é uma espécie de goma que se obtém igualmente do Eucaliptus.