Verduras silvestres

Verduras silvestres

Receita básica para verduras silvestres Um quilo de verduras, 50 g de azeite, 30 a 40 g de farinha, de um oitavo a um quarto de litro de leite, nata ou leite coalhado, cerca de um litro de caldo ( água ou caldo de verdura)  eventualmente cebola ou alho porro. As verduras muito picadas refogam-se primeiramente em gordura. Completa-se depois com água ou caldo. Mistura-se a farinha com o leite ou a nata e juntam-se as verduras. Cozem-se estos depois e temperam-se. Se se quiser, refogam-se com as verduras, cebolas ou alho porro muito picados. Ou então: As verduras silvestres cozem-se brevemente em água temperada de sal, com uma cebola.

Soja

Soja

A soja (Glycine hispida) é uma planta procedente do interior da China, pertencente às Leguminosas. A soja, cultivada desde tempos remotíssimos e que tem constituído e constitui o principal alimento de grandes massas populacionais da Ásia oriental, alcançou também na Europa grande importância como alimento e como remédio terapêutico. Proteínas Gorduras Hidratos de carbono minerais Lecitinas Fibra Bruta Água Quantidades expressas em (g) Soja-Sementes 30 18 20 4,5 1,8 5,2 12,6 Soja-Farinha 40 21 26,5 4,5 2 3,5 6 A carência de amido diferencia de maneira notável a soja das restantes leguminosas que vulgarmente se empregam, as quais têm. à volta de 50 % dos seus hidratos de carbono, em.

Espargos

Espargos

Sob o ponto de vista da Botânica, o espargo (Asparagus officinalis), da família das Liliáceas, é um talo de cerca de um melro de altura, que se mantém no Inverno e tem uma raiz lenhosa. Os que se compram na Primavera, por bom preço, não são mais do que os rebentos recentes de um talo de numerosos rebentos, cujo desenvolvimento inicial exige uns três anos. Composição e propriedades Tão antiga como o cultivo do espargo é a observação dos efeitos diuréticos dos renovos das raízes e daí o seu significado terapêutico. Este conhecimento tem-se mantido em todos os tempos, embora presentemente desempenhe um papel na dieta que não está limitado.

Manteigas e recheios de ervas de cheiro

Manteigas e recheios de ervas de cheiro

Manteiga de ervas de cheiro 125g de manteiga, 40g de ervas de cheiro e sal a gosto. Às ervas de cheiro, finamente cortadas, misturam-se cuidadosamente com manteiga e sal. Esta manteiga de ervas de cheiro é própria para aplicar em sanduíches ou em batatas cozidas com casca. Esta manteiga de ervas de cheiro conserva-se bem num lugar frio, dura vários dias. Receita 2 – Manteiga de ervas de cheiro Misturar estragão, pimpinela e agriões ou tomilho, manjerona e manjericão ou borragem, salsa, endro, alho mourisco, limão e um pouco de salva, tudo muito bem picadinho com manteiga. Para 125g utilizam-se na receita anterior 40 g de ervas de cheiro e.

Urtigas

Urtigas

Sob qualquer das numerosas denominações populares, a urtiga (Urtica dioica) estende-se praticamente por toda a terra. Encontra-se em sebes, sarças e nos bosques. Colhem-se as tolhas uma a uma, recomendando-se o emprego de luvas. Nos talos grandes podem arrancar-se conjuntamente as folhas, arrancando-as até abaixo, mas tendo o cuidado de não incluir nenhuma inflorescência. As folhas que se põem a secar devem ser voltadas com frequência, facilitando-se assim a sua secagem. Podem tornar-se um pouco escuras, mas não devem ficar negras nem quebradiças. Guardam-se cm caixas de papelão ou em latas, verificando o seu estado com frequência. Composição e propriedades Os elementos activos conhecidos ate agora são: ferro, clorofila, lecitina,.