Dente de Leão

Dente de Leão

O conhecido e para nós valiosíssimo dente de leão (Taraxacum officinale), da família das Compostas, é muito comum em Portugal, em lugares húmidos, prados, etc. Desde a Primavera ate ao Verão já adiantado, podem colher-se as folhas, urna a uma, depositando as em cestos. Há que evitar qualquer pressão nas folhas. Estendem-se o mais depressa possível, formando camadas finas, em lugares à sombra para secarem. As raízes são desenterradas na Primavera e no Outono, separando-se das folhas e das radículas ainda existentes; lavam-se cuidadosamente e deixam-se secar depois no chão durante dez ou doze dias. Para as secar depois por completo, aplica se-lhes calor artificial. Depois da seca, a folha.

Saladas de hortaliças

Saladas de hortaliças

Salada de couve-flor Conforme o tamanho dividem-se duas couves-flores em grumos pequenos, lavam-se e cozem-se em água temperada de sal, sem chegarem a fica brandas. Deixam-se escorrer na peneira e introduzem-se brevemente num molho de escabeche, confeccionado com o sumo de um limão, 75g de azeite e pouco de sal. Salada de urtigas A folha jovem e tenra das pontas dos rebentos bem picadas podem mistura-se em pequena quantidade com outras saladas (dente-de-leão, armole, alface). Embora não melhorem o sabor, devem contudo consumir-se por causa do seu valor medicinal. Salada de agriões Os agriões devem limpar-se cuidadosamente. O melhor é deixá-los de quinze a trinta minutos em água com sal.