A importância dos frutos secos

A importância dos frutos secos

Embora, desde há séculos se considerem os cereais como os alimentos vegetais mais importantes e influam por isso consideravelmente na nossa alimentação, há que recordar que anteriormente predominava a alimentação com frutos de árvores e que as nozes e as castanhas também desempenhavam um papel importante. Se são as gramíneas ou as árvores que proporcionam uma nutrição mais valiosa, é coisa que ainda hoje se não pode decidir sob o ponto de vista científico. Os frutos das árvores e entre todos eles os de tipo da noz exercem em todo o caso uma importante função na cozinha vegetariana. São, portanto, muito necessários, uma vez que com os legumes secos constituem.

Afecções frequentes da pele e a sua origem

Afecções frequentes da pele e a sua origem

De há muito tempo que se vêm conhecendo numerosos defeitos nutritivos como causa inicial destes males, como, por exemplo, a cor amarela das crianças de peito, no caso de excesso alimentar de sumo de cenouras ou de papas. Mas é mais grave a presença excessiva de sal nos alimentos, pois aumenta a predisposição da pele para a inflamação e aumenta a sua facilidade de secreção de líquidos, ao mesmo tempo que diminui a sua capacidade de defesa. Investigaram-se os sintomas cutâneos da insuficiência da vitamina A. Basta recordar a queratinização das glândulas capilares, o aparecimento de parasitas, as inflamações cutâneas purulentas, a queda dos pelos, a formação de pequenas manchas,.

Excesso de proteínas animais

Excesso de proteínas animais

Necessidade de proteínas  A chamada «questão proteínica» já excitou muito os ânimos, mas precisamente neste aspecto levou a investigação moderna aos mais assombrosos e importantes conhecimentos e esclarecimentos. Os ditos estudos servem de base às seguintes conclusões: As proteínas são, para nós, matéria vital imprescindível, da qual — tanto segundo as antigas doutrinas sobre nutrição como as modernas — necessitamos de uma média de 60 a 90 gramas por dia. Não é esta a quantidade mínima suficiente, mas a mais favorável possível. Há que ter muito em conta que tanto um contributo insuficiente como uma alimentação excessiva de proteínas podem originar prejuízos no organismo. A doutrina de que a proteína.

Carne

Carne

O homem não é «naturalmente» carnívoro Até meados do século XIX, o consumo de carne na Europa era bastante baixo. Por exemplo, no ano de 1810 era apenas de 18 quilos por cabeça. Por influência da teoria de que a capacidade de rendimento do homem pode aumentar com o consumo, considerável de albumina, especialmente mediante o consumo de carne, aumentou o consumo até que, ao começar o século xx, subiu para 56 quilos por pessoa e por ano. O grande desenvolvimento industrial simultâneo, tornando mais escasso o tempo disponível, pode também ter influído na preferência cada vez maior por pratos de carne de preparação rápida e que satisfazem o apetite,.