Endro

Endro

O endro (Anethum graveolens) pertence à família das Umbelífcras. Encontra-se cultivado e espontâneo em campos e vinhedos do Centro e Sul de Portugal. As plantas têm muita semelhança com o funcho. É possível o cultivo em toda a espécie de terrenos de horta, dada a falta de exigências desta planta para se desenvolver. A germinação apresenta-se na segunda ou terceira semana, com capacidade germinativa ate 80%. É melhor semear várias vezes sucessivamente a partir de Abril, para dispor sempre de folhas frescas de endro. O endro não suporta a transplantação. Pouco antes da floração, arranca-se toda a planta do solo e dependura-se para secar. Os frutos (sementes) colhem-se directamente das.

Canela

Canela

Com o nome de canela conhecem-se no comercio diferentes tipos de cascas que se empregam como condimento e se obtêm de diversos arbustos pertencentes à família das Lauráceas. A espécie melhor e mais utilizada é o Cinnamomum Ceylandicum, procedente de Ceilão, onde é abundantemente cultivado. Também é explorada noutros países como Java, Sumatra e a América do Sul. Das cascas dos ramos novos obtêm-se os delicados cilindros, pardo-avermelhados, utilizados no comércio. Caracterizam-se por um sabor fortemente aromático, algo picante e ao mesmo tempo doce. Composição Um óleo essencial que atinge proporções de 0,5 a 4 %. Também contém uma suave resina aromática, um corante que tem ferro e gomas. Aplicações.

Urtigas

Urtigas

Sob qualquer das numerosas denominações populares, a urtiga (Urtica dioica) estende-se praticamente por toda a terra. Encontra-se em sebes, sarças e nos bosques. Colhem-se as tolhas uma a uma, recomendando-se o emprego de luvas. Nos talos grandes podem arrancar-se conjuntamente as folhas, arrancando-as até abaixo, mas tendo o cuidado de não incluir nenhuma inflorescência. As folhas que se põem a secar devem ser voltadas com frequência, facilitando-se assim a sua secagem. Podem tornar-se um pouco escuras, mas não devem ficar negras nem quebradiças. Guardam-se cm caixas de papelão ou em latas, verificando o seu estado com frequência. Composição e propriedades Os elementos activos conhecidos ate agora são: ferro, clorofila, lecitina,.

Molhos doces

Molhos doces

Molho de rosa silvestre Três colheres grandes de doce de rosa silvestre, meio litro de sumo e maça ou de uva (ou meio litro de água com sumo de limão), três colheres grandes de farinha de batata. O doce de rosa silvestre dilui-se no sumo de maçã ou de uva e coze-se até ficar espesso com farinha de batata. Pode-se diluir o doce também em água, mas acrescentando sumo de limão. E muito conveniente para pudim de sêmola, arroz e pão, assim como para sanduíches, torradas, etc. Molho doce de azeda Duas colheres grandes bem cheias de farinha, um pouco de leite, duas ou três colheres grandes de azedas bem.

Anis

Anis

A família das Umbelíferas proporciona-nos o anis ou erva doce (Pimpinclla anisum), originária do Oriente, sendo cultivado e às vezes subespontâneo em Portugal. O anis figura entre os mais antigos medicamentos. Já Pitágoras louvava a sua influência. Nos estudos hipocráticos aparece tratado com frequência. Logo que os talos se tornam amarelos, cortam-se os cachos de flores, atam-se e dependuram-se ao ar para secar. Decorrido algum tempo, podem obter-se os frutos, sacudindo-os. O clima duro e húmido, assim como a zona costeira, não são lugares próprios para o seu cultivo. O melhor é cultivá-lo em solo de boa qualidade e predominantemente leve. Estrumar o campo, mas antes de se formarem os.