Está a visualizar alimentos frutos e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa cultivar mastruz. Encontre as melhores dicas para ajudar na sua alimentação! rosa silvestre para que serve, levedura medicinal, importância alimentar da raiz, levedura medicinal para que serve, importância medicinal da raiz, pau magro, Erva cidreira.

Mastruço

25 Dez 2015
Comments
Mastruço

Resta falar do mastruço (Lepidium sativum), membro da família das Crucíferas. A semente germina muito facilmente, inclusive sobre papel mata-borrão, areia húmida ou serradura, desde que tenha humidade suficiente. Como esta delicada planta, com o seu crescimento comparável ao da relva, pode cultivar-se em estufas com muita facilidade, já se pode encontrar à venda logo […]

Manjericão Grande

25 Jun 2017
Comments
Manjericão Grande

O manjericão grande (Ocimum basilicum) pertence à família das Labiadas, sendo-lhe atribuídos como países de origem o Egipto, as ilhas gregas, a Pérsia e a índia. Pode cultivar-se em vasos de barro para ter sempre uma folha à mão. As quantidades maiores cultivam-se em pequenos talhões nas hortas. É preferível semeá-las em alfobres. A germinação […]

Salva

19 Abr 2016
Comments
Salva

A salva (Salvia officinalis) é um representante da família das Labiadas. Encontra-se, presentemente, em quase todo o Portugal, embora não seja muito abundante. O cultivo é possível em qualquer terreno, porque a planta não é muito exigente. A reprodução efectua-se mediante espeques de plantas antigas ou por sementes. A sementeira tem de ser feita em […]

Cerefolho

07 Out 2015
Comments
Cerefolho

A família das Umbelíferas apresenta-nos o Corefolho ou Cerefólio (Anthriscus cerefolium), originária do Sul da Rússia. A planta não só está relacionada com a salsa, como também é muito parecida com ela. Pode cultivar-se em qualquer horta. O mais prático é repetir valias vezes a sementeira entre Março e princípios do Verão em terreno sombrio, […]

Mostarda Negra

11 Out 2016
Comments
Mostarda Negra

A mostardeira negra (Brassica Migra) é da família das Crucíferas. Frequente nas searas, campos e caminhos do Minho, Estremadura e Alentejo. Em pequenas quantidades, cortam-se e atam-se em feixes os talos, a partir de Julho, depois de as bainhas adquirirem um tom amarelado; estendem-se em seguida num pano. Os grãos de cor pardacenta-amarclada caídos conservam-se […]