A salva (Salvia officinalis) é um representante da família das Labiadas. Encontra-se, presentemente, em quase todo o Portugal, embora não seja muito abundante. O cultivo é possível em qualquer terreno, porque a planta não é muito exigente. A reprodução efectua-se mediante espeques de plantas antigas ou por sementes. A sementeira tem de ser feita em campos livres ou em alfobres. Com 20 g de sementes conseguem-se plantas para uma superfície de 100 m2. O peso de mil grãos de semente vem a ser de 5,8 a 8,9 gramas. Os cortes repetidos e abundantes favorecem o crescimento da folhagem. A partir do segundo ano conseguem-se normalmente colheitas abundantes. Num are podem colher-se de 20 a 25 quilos de produtos. Passados quatro ou cinco anos, há que mudar de terreno. As plantas isoladas podem cultivar-se facilmente em vasos ou em caixotes.
Depois da floração, desenvolvem-se a partir da parte inferior rebentos de folhas muito fortes, que se cortam em tempo seco. Arrancam-se as folhas e estendem-se numa camada fina no chão de um sótão ventilado e sombrio, voltando-as de tempos a tempos até secarem. Conservam-se em recipientes fortemente fechados. As folhas secas devem ficar com uma cor verde acinzentada e cheirar a especiaria.

Aplicações medicinais

A infusão de salva tem efeitos bactericidas e utiliza-se como calmante e remédio nas cáries e doenças das gengivas, especialmente inflamatórias. Para isso é muito boa em combinações com a macela, que é sumamente eficaz contra as inflamações.
A sua aplicação interna mais importante é como anti-sudorífero.
Portanto, quando há suor excessivo como sintoma secundário na tuberculose, ou depois de enfermidades infecciosas, funcionamento excessivo da tiróide (tireotoxicose) ou estados nervosos — a salva está no seu lugar; também na maior parte dos casos é preferível à atropina que é o remédio mais utilizado. Como anti-sudorífero pode preparar-se a infusão numa chávena de água fervente, de uma colherada grande da mistura de 80 g de salva com 10 g de cavalinha e 10 g de raiz de valeriana.

Emprego como condimento

As folhas de salva são um bom condimento para empadões fritos e são muito apreciadas como condimento para guisados, molhos, legumes secos, sopas, saladas, manteiga de ervas, regime dietético e hortaliças cruas. A salva seca tem sabor mais forte do que a fresca. Também se emprega em pó.

Comentários