Limpeza anual do sangue

É principalmente na Primavera que se manifesta em maior grau que todos nós passámos por uma serie de estados enfermiços que hoje se chamam «insuficiências», mas que antigamente se denominavam «impurezas do sangue». Mesmo quando hoje estamos em condições de indicar com exactidão quais são as «insuficiências» à custa de complicadíssimas investigações laboratoriais, as «impurezas do sangue» ou, melhor, os «produtos de refugo dos tecidos» e as «misturas de humores» são difíceis ou impossíveis de comprovar e não têm, portanto, a consideração suficiente na medicina oficial. Seja como for, não podemos menosprezar a ideia muito popular e expressiva dos «produtos residuais dos tecidos», pois conhecemos numerosos processos do metabolismo, já explicados, pelos quais uma alimentação insuficiente, como é hoje praticamente a de todo o povo civilizado, leva a graves desvios metabólicos e, por isso, a carregar excessivamente as células e os tecidos. As curas da Primavera de depuração do sangue, que não se destinavam senão a reactivar o metabolismo, a normalizá-lo e a estimular as secreções, subsistem, por conseguinte, ainda hoje com suficientes motivos. O incremento do metabolismo significa sempre limpeza e a limpeza continua sempre a ser uma condição prévia para a saúde.
Os caminhos que levam a uma limpeza do organismo na Primavera são muitos. Basta recordar as dietas, as curas de sumos de frutas, o regime de vegetais crus, infusões mistas, saladas de ervas silvestres, banho de suor, banhos de assento quentes, banhos romanos e irlandeses e muitos outros. Também o emprego especial e curativo de plantas medicinais como urtigas, agriões, dentes de leão ou margaritas, são possibilidades para fazer frente com eficácia a uma «mistura de humores» e realizar a necessária renovação. Apoiam, portanto, comvenientemente os nossos esforços para a distensão e a renovação dos tecidos os banhos intestinais, a ginástica respiratória, o exercício abundante ao ar livre e a alimentação vegetariana sem sal. Qualquer pessoa pode assim levar a cabo a cura correspondente à sua constituição física, para depurar o seu próprio organismo. Só um perfeito metabolismo é que garante a capacidade de rendimento e a satisfação do esforço.

A cura de depuração do sangue, tratamento básico

A moderna química do metabolismo e numerosas investigações sobre as forças activas na formação e degradação da hemoglobina levaram à convicção de que a vida dos nossos tecidos orgânicos depende da capacidade de respiração das células e, sobretudo, da capacidade de absorção e expulsão do oxigénio. Neste processo desempenham, precisamente, um papel importante os fermentos portadores de oxigénio. Se se interromper a cadeia de reacções por causa da falta de um fermento, acumula-se um determinado produto do metabolismo directamente no ponto de rutura e continuará a formar-se, mas não a transformar-se. Apresenta-se, assim, um produto de metabolismo em excesso, ao passo que faltam outros factores que devem derivar daquele. Isto torna compreensível o velho conceito de «produção de resíduos dos tecidos» e de «limpeza do sangue».
O ligado, por ser o maior «laboratório» do metabolismo, precisa anualmente de um descanso prolongado com posterior renovação e estímulo de todas as suas numerosas funções por meio de matérias activas, tais como as que existem nos sumos de plantas e frutas, ervas medicinais, verdura e saladas, na forma mais natural e agradável.
Toda a limpeza do sangue e dos tecidos deve ser precedida convenientemente de uma limpeza intestinal, pois está demonstrado que o intestino, se funcionar defeituosamente, se pode converter num foco de grave infecção, chegando a provar-se a presença no sangue, em tais casos, de matérias tóxicas procedentes do metabolismo como fenol, indol e cresol, numa concentração análoga à que se produziria por envenenamento exterior. Estaríamos, assim, diante de uma autointoxicação intestinal.
A riqueza em sal conduz, também, a uma hidratação dos tecidos e, por sua vez, à obstrução dos processos de combustão, dando assim lugar a uma acumulação de resíduos do metabolismo.
Como as curas de limpeza de sangue estimulam consideravelmente todos os órgãos de eliminação de produtos de refugo, e os sumos de frutas e verduras frescas fornecem suficiente material de combustão e eliminam o sal pela sua abundância em potássio, tornam-se muito bons c próprios para evitarmos graves enfermidades, a velhice prematura e a caquexia.

Normas para um regime depurativo do sangue

A principal condição para o seu êxito é uma transformação de toda a alimentação e muitas vezes também do modo de vida que a pessoa leva. Durante uma temporada de quatro a seis semanas, devem limitar-se, ou suprimir-se mesmo, todos os alimentos que formem ou contenham ácido úrico, como carne, ovos, queijo, café e chá. São eficazes a fruta fresca, incluindo limões e laranjas, os sumos, as infusões de ervas, a choucroute (couve fermentada) crua, o leite coalhado e o iogurte. Todas as medidas deste tipo teriam pouco resultado se não se conseguisse um funcionamento totalmente normal do intestino. Tomar antes de cada refeição um copo de sumo
de maçã consegue quase sempre fomentar a actividade intestinal. O consumo regular do leite coalhado e de iogurte normaliza o depósito de bactérias no estômago, de modo que se produz um reforço e reavivamento consideráveis da capacidade digestiva, evitando a absorção de produtos metabólicos tóxicos. A limpeza intestinal e a regularização da função intestinal equivalem sempre à limpeza do sangue e são, por conseguinte, o princípio básico de toda a cura de Primavera.

Como efectuar uma cura de Primavera

A dieta rigorosa só deve ser efectuada sob controle médico e não é apropriada para as pessoas que trabalham. A privação parcial de alimento na forma de dieta matinal é, contudo, muito aconselhável. Neste caso, beber, durante um período de quatro a seis semanas, de manhã, de uma a duas chávenas de infusão depuradora; tomar alguma fruta e tomar, ao meio-dia, o almoço normal. O melhor é renunciar, durante todo este tempo, à carne e aos ovos.
Chegamos, assim, ao regime vegetariano que pode prestar bons serviços como dieta de cura. A alimentação de coisas cruas, durante duas ou três semanas, c muito eficaz para provocar uma mudança de humores, melhorando os alimentos com sumos. Ainda de modo mais eficaz actua a cura de sumos crus, conforme o exemplo que apresentaremos mais adiante.
Uma infusão para pequeno-almoço da maior eficácia é a que se obtém com 10 g de folhas de sena, 10 g de salgueirinha, 20 g de alcaçuz, 20 g de folhas de nogueira e 40 g de amor-perfeito. Prepara-se com uma colher grande desta mistura uma infusão, da qual se deve beber uma chávena de manhã e outra à noite.
O uso de morangos, bagas de zimbro e de cerejas é muito indicado para a limpeza geral e orgânica. Na primeira parte deste livro foram dadas as normas pertinentes ao seu uso.
Durante as curas de limpeza de sangue, far-se-ão banhos gerais do corpo de manhã e à noite (frios ou quentes, conforme a temperatura exterior e a da casa) e, na medida do possível, banhos de ar e de sol para reforçar a eliminação pela pele e as suas funções de desintoxicação.

Exemplo de um regime depurativo à base de sumos

Primeiro dia, a dieta hídrica:

— De manhã: 200cm3 de infusão de roseira silvestre ou de malva.
— Pequeno almoço: 200cm3 de água de ameixas.
— Almoço: 200 cm3 de sumo de maçã ou de groselha preta.
— Lanche: 200 cm3 de água de ameixas.
— Jantar: 200cm3 de infusão de roseira silvestre ou de malva com uma colherinha de sumo de limão

Segundo dia, regime de frutas e verduras:

— De manhã: 200 cm3 de infusão de roseira silvestre ou de malva com uma colherinha, das de café, de sumo de
limão ou água de limão quente com uma colherinha de mel.
— Pequeno almoço: 200cm3 de sumo de laranja, ou de tangerinas.
— Almoço: 200cm3 de sumo de cenoura ou de tomate, ou de uma mistura em partes iguais de cenoura, tomate e espinafres.
— Lanche: 200 cm3 de água de ameixas.
— Jantar: 200cm3 de sumo de groselhas pretas, ou então o sumo recém-extraído por esmagamento de 300 g de
framboesas, groselhas, uvas, morangos ou uvas. Para tornar mais agradáveis os sumos doces, juntar-lhes sumo de limão e aos ácidos juntar mel.

O regime recomendado à base de sumos de frutas e de verduras pode repetir-se até sete dias com toda a tranquilidade.
Tratamentos mais prolongados só devem ser estabelecidos sob controle médico diário, sendo neste caso possível mantê-lo durante catorze dias e mesmo até vinte e um dias.
Este regime de jejum pode suavizar-se tomando ao meio-dia uma maçã crua ou recentemeríte ralada e dois ou três iogurtes. À noite, tomar sopa de fécula de batatas ou de trigo, sem sal.

Primeiro dia depois do regime:

— De manhã: 200 cm3 de sopa de flocos de trigo com cinco figos bem picados e previamente amolecidos.
— Pequeno almoço : 200 cm3 de infusão de roseira-silvestre ou de malva com uma ou duas fatias de pão torrado.
— Almoço: 300cm3 de sopa de batatas com ervas frescas picadas.
— Lanche: 200cm3 de infusão de hortelã-pimenta com dois ou quatro biscoitos.
— Jantar: 250 cm3 de sopa de tomate.

Segundo dia depois do regime:

— De manhã: 150-200 g de marmelada, desjejum, marmelada de cereais germinados ou de leite azedo com cinco figos amolecidos.
— Pequeno almoço : Uma maçã.
— Almoço: Choucroute, metade fresco e metade cozido com puré de batatas, ou cenouras com puré de batatas.
— Lanche: Uma maçã.
— Jantar: Salada de frutas, composta de 200g de frutas com 50 cm3 de nata, 30 g de avelãs raladas e 10 g de mel. Uma ou duas fatias de pão torrado com 10 g de manteiga de infusão de roseira-brava.

Terceiro dia depois do regime:

— De manhã: Cinco figos moles, 200 g de marmelada, duas ou três fatias de pão integral com manteiga e mel ou doce coberto.
— Pequeno almoço: Uma maçã ou uma laranja.
— Almoço: Prato de alimentos crus, batatas descascadas, cebola muito bem picada e 20 g de manteiga.
— Lanche: Biscoitos, um copo de leite de amêndoas.
— Jantar: 200-250 g de leite coalhado com flocos de milho, pão integral, 20 g de manteiga, infusão de malva.

Regime de integração (sete dias):

Sistema semelhante na base de vegetais e lacticínios.

— Primeiro dia de manhã: Iogurte com frutas e nozes, pão integral ou biscoitos completos com manteiga e mel.
— Ao almoço: Cenouras cruas, couve-flor com molho holandês e batatas descascadas, saladas de frutas (receitas 92-95) com creme batido.
— Jantar: Salada (receitas 73, 74, 76), ovos com pão de Graham, pão integral, manteiga, rabanetes.
— Segundo dia, de manhã: Marmelada de Bircher, (receita 83), pão integral, margarina vegetal, doce de roseira-silvestre, uma chávena de leite.
— Almoço: Fruta fresca, espinafres, porções de queijo (fatias de pão de Graham com manteiga, queijo ralado e um ovo, tudo posto no forno até dourar) e batatas descascadas.
— Jantar: Combinação cie balatas e ervas (receita 121), salada de tomate, pão, manteiga, agriões, infusão de
roseira-silvestre (receita 14).
— Terceiro dia, dc manhã: Massa de trigo triturado (receita 91), pão de Graham, doce de nozes coberto, mel,
iogurte.
— Almoço: Salada de agriões (receita 62), preto de cenouras (receita 107), assado de vegetais (receitas 134-138), batatas descascadas, requeijão (receita 124).
— Jantar: Salada de espargos com cogumelos (receita 75), pão integral, manteiga, pepinos.
— Quarto dia, de manhã: Desjejum de Kollath, pão integra com manteiga, iogurte batido com extracto de espinheiro amarelo.
— Almoço: Salada de ervas silvestres, (receita 79), ou salada de pepinos (receita 64) com batatas e cominhos
(receita 122), arroz com maçãs (receita 144).
— Jantar: Bagas frescas, pão integral com requeijão, infusão de malvas.

— Quinto dia, de manhã: Coquetel de leite e fruta (receita 7) ou de leite de amêndoas (receita 10), pão de Graham, gordura vegetal, doce coberto de roseira-silvestre.
— Almoço: Salada de verduras com rabanetes, almôndegas de batatas, salsa de rábano (receita 54), salada de
frutas (receitas 92-95).
— Jantar: Cerejas frias (receita 47), pão integral com manteiga e queijo ralado, infusão de ervas.
— Sexto dia, de manhã: Massa de trigo moído (receita 91), pão torrado, manteiga, marmelada de ameixas, leite
completo, frio ou quente.
— Almoço: Salada de aipo (receitas 73-74), batatas com alho (receita 106) com assados vegetais (receita 137),
compota de groselha espim (recetia 156).
— Jantar: Leite coalhado com flocos de milho, pão de Graham, manteiga, infusão de malvas.
— Sétimo dia, de manhã: Pão integral com manteiga, requeijão batido, infusão de maçãs.
— Almoço: Salada de escorcioneira preta (receita 72), tomates assados com ovos e ervas (receita 134), ruibarbo.
— Jantar: Assado de aipo (receita 135), salada de verduras, batatas descascadas com molho de requeijão e ervas (receitas 52 e 124).

Regime para combater o cansaço primaveril e a obesidade

Ouve-se dizer com muita frequência, sobretudo às senhoras, o preocupado comentário de que estão a engordar, acrescentando quase sempre que não é por excesso de comida, pois raramente satisfazem completamente o apetite. Mas a verdade é que o peso continua a aumentar. Também não se pode ocultar por mais tempo o desaparecimento da «bela linha» por mais cintas e espartilhos que se usem.
A isto junta-se, com frequência, uma sensação de menor capacidade de rendimento. É, precisamente, nas primeiras horas da manhã que parece que os membros estão adormecidos e uma sensação de angústia paralisa a vontade e é com dificuldade que se efectua o trabalho diário.
Recorre-se, em geral, a uma xícara de café ou a uma chávena de chá para fazer desaparecer estes sintomas tão molestos. Mas a verdade é que enquanto necessitarmos de tais excitantes para conservar devidamente a nossa capacidade de rendimento, é sinal de que os órgãos do nosso corpo não estão sãos. Não devemos suprimir os sintomas, mas sim perguntar a que são devidos.

Que fazer, então?

Recordemos os métodos aprovados por uma grande experiência que, pelo seu efeito externo ou interno, ajudam o organismo a desfazer-se da acumulação excessiva de gorduras e a eliminar a produção de resíduos metabólicos de todo o inverno. Os usos externos, como massagens, ginástica, banhos e curas de transpiração, conservam sempre o seu grande valor. Como uso interno, efectuemos uma das curas depurativas do sangue atrás descritas, a qual, se for cumprida a rigor, servirá lambem de cura para emagrecer.

Frequência de lombrigas intestinais

Os casos graves de cansaço da Primavera estão relacionados frequentemente com a presença de parasitas no intestino e com insuficiência de vitamina C. O ensino que deve ser tirado é que nos casos de grande cansaço primaveril, entre os indubitavelmente devidos a simples insuficiência vitamínica, há que ter presente a possibilidade de parasitas intestinais.
O estado de fadiga que se pode observar é evidentemente consequência da destruição da vitamina C pelos parasitas.
O que nestes casos pode ser de muita utilidade são as ervas da Primavera, muita fruta fresca, salada crua diária,
cebolas, alhos, salsa e muitas cenouras que expulsam e afastam os parasitas. No caso da presença de lombrigas em grande quantidade há que recorrer à consulta e tratamento medico.

Indicações culinárias

Sopa da Primavera: Restos de legumes cozidos ou raízes, lavados e cortados, um pedaço de couve-flor e um par de alcachofras frescas; cozer tudo isto até ficar brando num litro e meio de caldo ou de água temperada de sal; coar por um passador e voltar ao lume para cozer de novo. No caldo de legumes frio dissolve-se uma colherada grande de farinha de batata para engrossar ligeiramente. Adicionam-se finalmente à sopa 250 g de espinafres cozidos, picados à máquina e cerefolho muito cortado, enriquecendo-o com um pouco de manteiga.
Outra sopa de Primavera consiste em duas ou três colheres grandes de sêmola, gordura e duas chávenas de verduras silvestres ou de horta. Tosta-se a sêmola em gordura com uma cebola cortada aos cubos até ficar um pouco dourada. Acrescenta-se água à vontade e deixa-se cozer a sêmola sem formar grumos, remexendo a sopa de vez em quando com uma colher.
Como vegetais podemos utilizar cerefolho, pontas de urtiga, folhas tenras de dente de leão e de cebolas de França. Escolhem-se cuidadosamente as folhas, lavam-se insistentemente e juntam-se à sopa, muito picadas, deixando-as ferver um pouco. Conforme o sabor que se preferir, podem adicionar-se umas gotas de especiaria e um pouco de sal.
Molho rico de ervas: Um pouco de espinafres e de azedas bem lavadas e com cerefolho, hera, pelitre e salsa, tudo bem picado e brevemente refogado no próprio molho. Prepara-se, ao mesmo tempo, com uma colher grande cheia de farinha e um pouco de manteiga, uma massa clara. Juntando um quarto de litro de caldo frio, faz-se um molho espesso que se tempera com sal à vontade. Além disso, junta-se-lhe um pouco de sumo de limão e coze-se tudo com as ervas finamente cortadas.
Também se podem fazer pratos de urtigas e saladas com dentes de leão, azedas ou tanchagem, conforme se especifica na parte final deste livro.
As curas de limpeza de sangue são tanto mais necessárias quanto mais longe se vive da natureza. Não só purificam o organismo e dão novas forças como também actuam energicamente contra muitas enfermidades.

O jejum como meio de cura

O jejum é realmente o regime dietético mais rigoroso, mas também a medida terapêutica mais comum a todas as
enfermidades. O Nutricionista insiste na observação de que o jejum fortalece a intuição e dá uma ideia mais exacta das circunstâncias, como também das sensações internas, das impressões e das imaginações. É este o mais profundo sentido e a razão por que todas as religiões praticam o jejum. Quer dizer que as prescrições religiosas do jejum servem não só de exercício ascético e para fortalecer a vontade, como também para a manutenção da saúde do corpo.
Os jejuns rigorosos e prolongados devem ser feitos sob vigilância médica ou, melhor ainda, em qualquer estabelecimento de regimes dietéticos. As curas costumam durar, em média, de uma a três semanas. No dia anterior ao início do jejum, já se devem restringir consideravelmente os alimentos na quantidade, mantendo depois um regime à base de um litro de infusão de ervas diário, sumos de frutas e de legumes e mais uma pequena quantidade de alimentos. A opinião do médico em determinadas curas à base de sumos e de infusões
pode ser essencial. Durante o tempo do tratamento, administrar diariamente de manhã uma infusão de macela, e ao meio dia qualquer coisa quente para tonificar o corpo. Ao mesmo tempo, deve cuidar-se diligentemente da limpeza da boca. Passeios diários e estadias ao ar livre servem para regular as secreções cutâneas. Lavagens completas de manhã e ao entardecer e um banho semanal com folhas de pinheiro de curta duração, durante o tempo que durar a cura, facilitam enormemente os processos de eliminação.
O regime de jejum é recomendado nas seguintes doenças, especialmente nas de tipo crónico: angina de peito, asma bronquial, asma cardíaca, alterações da tensão arterial, afecções do sistema circulatório, especialmente nas que decorrem com espasmos nos vasos, varizes, obesidade, reumatismo articular, hemorróidas, alterações cutâneas, especialmente eczemas, doenças crónicas do estômago e dos intestinos, particularmente nos casos de prisão de ventre, enxaquecas, inflamações agudas dos rins, nas alterações renais da gestação, na preclampsia e eclampsia, nas paradentoses, nas alterações do metabolismo e das glândulas de secreção interna, em numero-
sas afecções nervosas, nos cálculos, nas feridas e úlceras que decorrem com malignidade, em doenças com temperatura elevada e de curta duração, como anginas, gripe, pneumonias.
Não é indicado este processo terapêutico nas doenças orgânicas graves e de curso geral, como os tumores malignos, tuberculose, diabetes, alterações graves das células renais ou hepáticas ou em afecções agudas do coração. Em tais casos pode ser muito útil uma cura de jejum de pequena duração sob o controle directo do médico.

Comentários