O anteriormente exposto demonstrou que a base para o tratamento das doenças da pele é um regime alimentar apropriado, caracterizado por:

1. Pobreza em sal.
2. Pobreza em proteínas animal.
3. Falta de gordura animal.
4. Riqueza em vitaminas e fermentos.
5. Riqueza em minerais básicos, sobretudo cálcio.

Não importa apenas ter em conta um fator isolado da alimentação, por exemplo o sal, como acontece com tanta frequência. O regime deve conter sempre alimentos crus nas suas diversas formas: por exemplo, dietas rigorosas de sumos de frutas e hortaliças, alimentos exclusivamente vegetarianos e a combinação destes com leite e produtos lácteos.
Um regime curativo estrito, traçado segundo as últimas experiências, inclusivamente para as doenças crônicas da pele, é analisado minuciosamente no capítulo sobre as afecções nervosas, quando se trata do regime de Evers, em que desempenham um papel de destaque os grãos de cereal germinados.
Nesta forma de dieta provou-se a normalização de funções vitais perturbadas, como a renovação do crescimento do pelo depois da sua queda durante muito tempo, o escurecimento do cabelo em pessoas anteriormente encanecidas, o incremento o vigor sexual e a regulação dos transtornos na menstruação. Outras experiências na dietética de doenças cutâneas hão-de produzir decerto magníficos resultados.
Para o tratamento de doenças da pele podemos empregar a infusão mista de espécies lenhosas: 50 g de guaiaco (Lignum Guaiaci), 30g de gatunha (Radix ononidis), 10g de alcaçuz (Rqcüx Hquiritiae), e 10 g de pau de açafrão (Lignimi sassafras). Calculam-se duas colheres grandes desta mistura para três chávenas de água, deixando-se ferver até se reduzir para duas chávenas. De manhã, para desjejuar, bebem-se de uma a duas chávenas de infusão quente.

Como já se disse no princípio deste livro, por uma grande série de costumes e de mudanças introduzidas pela nossa civilização, abandonou-se, muito mais que qualquer outro órgão,o da pele, maltratando-a e afastando-a de todos os estímulos normais, naturais e higiénicos, como a luz, o ar, o sol e as alterações climatológicas. Por isso, para as pertinazes doenças da pele muitas vezes torna-se absolutamente necessário, além dos regimes curativos e das combinações de plantas medicinais, uma mudança de clima. Geralmente são preferíveis os climas marítimos e de altitude.
Com muita frequência se consegue curar uma molesta doença cutânea sofrida durante anos só com o fazer atuar de modo regular e acertado todos os factores de ordem natural.
As chamadas alterações por hipersensibilidade da pele, as alergias, têm a sua causa básica definitiva no sistema nervoso. São muitas vezes os alimentos que provocam a reação.
Fala-se então de alergias da alimentação, como vermelhidão ou a urticária depois de se haver comido peixe, mariscos, carne de porco, morangos ou outros alimentos.
Idênticas ou parecidas reações podem produzir-se em contacto com muitos outros elementos do nosso meio ambiente, como, por exemplo, a asma provocada pelo pó do colchão de penas, a febre do feno pelo pólen da erva, a prisão de ventre depois de se consumirem determinados alimentos, os eczemas por inumeráveis produtos do mundo exterior ou do metabolismo. Uma autêntica cura das doenças alérgicas só é possível com um prolongado e estrito regime de alimentos crus.

Comentários