escorcioneira preta

escorcioneira preta

A escorcioneira preta (Scorzonera hispânica) da família das Compostas, encontra-se espalhada por toda a Espanha e também em Portugal (Trás-os-Montes e Beira), embora não abundantemente, entre pedregulhos, rochas e colinas secas. O suco leitoso, de sabor doce, tem sido pouco estudado cientificamente, e até agora conhece-se entre os seus elementos constitutivos a presença de um glicósido (inulina), asparraguina e colina. Sob o ponto de vista médico, pouco se pode dizer acerca dos seus efeitos. A medicina popular fala de efeitos sedativos para o sistema nervoso, ajudando o sono. A planta é bianual? o primeiro rebento só produz raízes delgadas, mas muito tenras, e o segundo, outras mais grossas e duras.

Batata-Doce

Batata-Doce

Com toda a probabilidade é a América Central a terra de origem da batata-doce (ípomoca batatas), que pertence à família das Convolvuláceas. Cultiva-se hoje na maior parte dos países tropicais e subtropicais. É uma planta anual e herbácea de porte volúvel. A sua propagação realiza-se, como sucede nas balatas, mediante tubérculos. Composição e propriedades Os tubérculos, cujo peso chega a atingir quilo e meio, contêm um suco leitoso e grande quantidade de tanino, especialmente na casca, pelo que os tubérculos apresentam uma cor escura. O teor em amido varia muito, conforme o lugar de origem. Nos trópicos o teor em açúcares ( 10 %) excede o do amido (9 %)..

Beterraba

Beterraba

A beterraba vermelha (Bela vulgaris cruenta rubra) é uma variedade de beterraba comum. A sua raiz grossa e carnuda contém um suco vermelho sanguíneo. Composição A beterraba apresenta um teor de hidrocarbonatos de 6 a 9%, figurando entre eles sacarose, frutose e rafinose; embora pese ao seu escasso teor em proteína (de 1.10 a 1,8 %), a verdade é que figuram nele os aminoácidos de grande valor biológico: asparraguina, glutamina e glucocola. e um excesso de bases, devido ao seu teor em potássio, sódio, magnésio e cálcio; também se conhece a presença de dois metais raros (rubidio e césio), cujo significado biológico ignoramos completamente. Há que ter também presente o.

Rábano

Rábano

Alem do rábano silvestre, a família das Crucíferas ainda nos oferece o rábano (Raphamis sativus). Como país aborígene deve considerar-se provavelmente a Ásia e como planta originária a mostarda silvestre. É raro apresentar-se no estado natural e desde há séculos que se vem cultivando. Propriedades e aplicações O rábano contem os mesmos elementos activos que os seus semelhantes: o rábano silvestre, o agrião e a cocleária. Tal como o rábano silvestre, o rábano vulgar estimula a função das glândulas digestivas, o que tem como consequência abrir o apetite. O seu emprego está indicado nos catarros do aparelho digestivo. Há que salientar também o excelente efeito, sobretudo o do suco de.

Rábano-Silvestre

Rábano-Silvestre

O rábano silvestre (Cochlearia armoracia) pertence à família das Crucíferas e dá-se em toda a Europa, nascendo nos lugares húmidos. Condições prévias para o seu bom desenvolvimento são um lugar quente e um solo adubado, solto e húmido. Consegue-se a reprodução de preferência mediante a mergulhia de raízes, em princípios de Abril, em terreno livre, à distância de trinta centímetros. Entrado o Outono, em Outubro ou Novembro, descobrem-se nas raízes de várias cabeças, dispondo todas elas de grandes rebentos, limpando-as de radículas, de talos e de terra, lavando-se depois cuidadosamente. Devem consumir-se frescas, embora se possam conservar, em despensas, sem se lavarem e em areia. Princípios activos O elemento activo.