Esterilização

Esterilização

Mediante o processo de esterilização podem conservar-se verduras silvestres e sucos de ervas. As primeiras esterilizam-se exactamente como os espinafres e outras verduras. As ervas passam-se por um espremedor de sumos ou, no caso de se não dispor deste, passam-se várias vezes pela máquina de picar carne, filtrando o sumo através de um pano. É claro que é melhor e mais rápido com uma centrifugadora eléctrica. Uma vez clarificado o sumo pela filtração, enchem-se cuidadosamente garrafas e frascos que se fecham pela forma mais corrente, e esterilizam-se como os sucos de fruta (num mínimo de vinte minutos a 80°). Como nestes casos se trata de um sumo extremamente concentrado, só.

Conserva em mel

Conserva em mel

A conserva de frutas frescas em mel ou xarope de açúcar concentrado é um dos métodos de conserva mais antigos, mas mais saborosos. Deve fazer-se maior uso deste método simples e biologicamente perfeito para a conservação de bagas e de frutos de caroço.

Salgadura

Salgadura

Salgadura Mediante a salgadura podemos conservar ervas frescas. As folhas ou raízes frescas picam-se, cortando-as o mais possível, não sobre uma tábua mas numa superfície de porcelana ou numa lousa. As ervas picadas misturam-se depois com sal (para 1 quilo de ervas, 150g de sal), apertam-se fortemente em frascos de vidro ou de barro e recobrem-se com uma camada de sal. Fecham-se os recipientes com celofane ou papel-pergaminho e colocam-se em lugares frescos e secos. Assim é possível ter durante o Inverno ervas frescas salgadas como condimentos para saladas. Não é preciso deitar sal nos alimentos quando se cozinham, para não lhes prejudicar o sabor. É de recomendar não pôr.

Envasadura

Envasadura

Podemos conservar frescas durante o Inverno um reduzido número de plantas para condimentos se no Outono as plantarmos em vasos (envasadura) e durante o Inverno as deixarmos desenvolver-se num local iluminado e quente junto da janela.

Escarcha (conserva em açúcar)

Escarcha (conserva em açúcar)

As flores da perfumada violeta, tal como as da borragem, podem escarchar-se. As flores são lavadas, escorridas e molhadas numa solução de açúcar quente; põem-se a secar depois num papel poroso ou num prato de louça.