Substituição de farinha de cereais por pão e batatas

Substituição de farinha de cereais por pão e batatas

A substituição do consumo antigamente elevado de farinhas de cereais por batatas e pão deve considerar-se como das causas da degeneração da dentadura.

Deficiente contribuição em minerais e oligoelementos

Deficiente contribuição em minerais e oligoelementos

Características e necessidade de mineiras e oligoelementos A falta de uns e outros está relacionada com as vitaminas e as auxinas. Têm a mesma origem, com eleitos em parte característicos e em parte gerais, além de muitos outros que, decerto, desconhecemos. Já nos referimos a esta questão quando tratámos da arte culinária e do emprego do sal. É imprescindível citar aqui, embora só de passagem, os resultados das numerosas investigações sobre o metabolismo de minerais e oligoelementos. Tem-se provado que não podemos prescindir de muitos, como acontece com o sódio, potássio, cálcio, magnésio, ferro, manganês, cobre, zinco e cobalto. Mas quanto ao papel de outros elementos mais raros que encontramos.

Cultura e incultura

Cultura e incultura

Toda a autêntica cultura exige, previamente, um determinado estado de fé. Tanto nos aspectos material como espiritual, tal estado de fé manifesta-se mediante a convicção de a pessoa poder conhecer-se amplamente e desenvolver-se partindo das próprias possibilidades, mediante um trabalho entusiasta. No aspecto espiritual, trata-se da convicção referente a normas e valores morais que têm de se alcançar e pôr em prática. Quer dizer: vivificar-se. O «ter cultura» significa conseguir o domínio sobre si mesmo, sobre as más inclinações e paixões. E a formação de um carácter firme e moral, um anelo mais para lá da vida, uma ponte entre o que os nossos sentidos captam e não captam, o passo para.

Substituição de alimentos duros por brandos

Substituição de alimentos duros por brandos

Necessidade de mastigação A ideia de oferecer ao corpo uma alimentação o mais preparada possível para lhe evitar esforços e melhor a aproveitar, levou a uma diminuição dos alimentos duros, substituindo-os pelos brandos e, deste modo, a um abandono da mastigação. Precisamente, porém, esta actividade mecânica do sistema de mandíbulas e de dentadura não só é necessária para a conservação de tais órgãos, como o é também para a boa função de todo o processo digestivo. A boa mastigação de alimentos duros (pão integral, frutas, nozes, etc.) constitui, em primeiro lugar, uma massagem ideal das gengivas, criando a disposição para a conservação da capacidade de resistência e da elasticidade dos tecidos gengivais, evitando.

Excesso no emprego do sal

Excesso no emprego do sal

Necessidade de sal em proporção ínfima  Em princípio está certo o que o nutricionista já formulava: «só a dose que faz com que a coisa não seja venenosa». Basicamente, o sal não é, por si mesmo, um veneno, utilizando-se por isso na homeopatia; mas, na quantidade que se toma na alimentação habitual, uns vinte ou trinta gramas diários, aparecem os efeitos tóxicos de uma coisa evidentemente excessiva. Também é válido para o sal o que já se disse sobre as substâncias puras. O sal comum é cloreto de sódio puro, livre de todos os aditamentos naturais, antigamente chamados «impurezas». Temos, assim, de voltar ao produto natural, isto é, ao sal.