A posição do problema

Tem-se vindo a considerar, insistentemente, a cultura e a civilização como causas de numerosas enfermidades, até se ter chegado, finalmente, à criação de conceitos como «praga da cultura» e «doenças de civilização». Hoje em dia, compreendem estas expressões, tanto na lileratura técnica como na popular sobre problemas sanitários, uma série de enfermidades do metabolismo e da nutrição, como a carie dentária, a parendentose, a úlcera de estômago, a diabetes, a obesidade, as doenças do fígado, vesícula, rins, coração e vasos, assim como o reumatismo, o cancro e a tuberculose.   Um observador superficial poderia tirar a conclusão de que a «cultura» e a «civilização» são coisas não desejáveis e, inclusivamente,.

Alimentos pobres em estimulantes intestinais

Alimentos pobres em estimulantes intestinais

Função das «matérias inertes»  As «matérias inertes» como já dissemos no caso da digitalina, quando tratámos do problema de «substâncias puras ou misturas naturais», têm o seu significado e a sua função. Assim, na digestão, o que não é digerível não é lastro sem valor que tem de ser eliminado; efectivamente, estimula, embora só mecanicamente, as paredes intestinais, excita a função do intestino e actua assim eficazmente contra a prisão de ventre, de que hoje sofre a maior parte dos homens civilizados. A alimentação rica cm substâncias cruas contém sempre suficiente  quantidade de celulose «não-digerível». Uma evacuação intestinal mais rápida e perfeita evita a «putrefacção das proteínas» e, por isso,.

Excesso de condimentos e produtos químicos

Excesso de condimentos e produtos químicos

Razões para o uso moderado de condimentos  Com o considerável intercâmbio de mercadorias de toda espécie entre os vários países, também se conseguiu infelizmente um primeiro lugar entre nós para as especiarias exóticas, que só têm aplicação real nos trópicos, deslocando quase completamente e sem razão as ervas e os condimentos de cada país. Quem só sabe dar sabor a um prato com especiarias exóticas (curry, gengibre, cravo, pimenta, canela) mostra, pelo menos, o seu desconhecimento da arte e da «cultura» culinárias. Como a cocção destrói ou altera muitos dos elementos do sabor, não é de estranhar que os alimentos cozinhados sejam insípidos por si mesmos e que não excitem o.

Mudanças nas condições de vida, trabalho e residência

Mudanças nas condições de vida, trabalho e residência

Insuficiente radiação solar As mudanças mencionadas levaram a uma ligação deficiente do corpo com o ambiente natural, com o mundo que nos cerca. É assim que especialmente a população urbana sofre de uma radiação solar insuficiente. Por cima de todas as grandes cidades, nomeadamente nas de tipo industrial, forma-se uma camada constituída por poeira, fuligem e fumo que absorve os raios ultravioletas do sol, com a consequência de uma radiação insuficiente e, por isso, de uma escassa formação de vitaminas na pele dos seus habitantes. Tomamos com os alimentos, por exemplo, as provitaminas D, a ergosterina, que se depositam na pele e que vão sempre necessitando da actuação dos raios ultravioletas.

Substituição de alimentos naturais por artificiais

Substituição de alimentos naturais por artificiais

Alimentos equilibrados O valor da alimentação não deve ser calculado apenas por um índice térmico (conteúdo de calorias). Sabemos que a alimentação de grande conteúdo de calorias não é a mais sã, mas sim aquela que contiver, no mais alto grau, o estado natural dos alimentos e que limitar, o mais possível, o consumo de alimentos animais. Da mesma maneira que o alimento natural, por exemplo uma maçã, uma noz, umas  gramas de cereal, é uma combinação harmonicamente equilibrada de matérias alimentícias, activas e vivas, assim também deve conter a nutrição total do homem tudo o que for necessário para o organismo numa proporção harmónica. Se se procurarem todas as.