Aspérula

Aspérula

As Rubiáceas oferecem-nos a aspérula (Asperula odorata), presente nas montanhas do Centro e do Norte da Península Ibérica. Devem cortar-se antes da floração as folhas recentes e verdes perto do solo. A aspérula, uma vez em flor, já não se colhe. Como há o perigo de se lhe arrancar a raiz, não se devem puxar as plantas, mas têm de ser cortadas cuidadosamente. Em cada parcela deixa-se uma parte das plantas sem lhes tocar. Para secar as folhas, estendem-se numa camada delgada. O local deve ser ventilado e sombrio. Para apressar o processo da secagem, dão-se várias voltas às folhas. Há que evitar a secagem em estufa, porque o calor.

Borragem

Borragem

A família das Borragináccas proporciona-nos como saborosa especiaria vegetal a borragem (Burrago Oficinalis). Espontânea e cultivada encontra-se em quase toda a Península Ibérica. Antes e durante a floração cortam-se as folhas à tesoura, pois só se empregam frescas como condimento ou como aditamento a uma salada. As folhas secas perdem sabor e são de conservação difícil. Cortam-se de Junho a Agosto e secam-se o mais rapidamente possível. As flores, empregadas muitas vezes como elemento decorativo, também se colhem. A sementeira faz-se na Primavera em filas; a distância entre os sulcos deve ser de 25 cm. O mais prático é fazer várias sementeiras seguidas, porque as folhas jovens são as mais.

Endro

Endro

O endro (Anethum graveolens) pertence à família das Umbelífcras. Encontra-se cultivado e espontâneo em campos e vinhedos do Centro e Sul de Portugal. As plantas têm muita semelhança com o funcho. É possível o cultivo em toda a espécie de terrenos de horta, dada a falta de exigências desta planta para se desenvolver. A germinação apresenta-se na segunda ou terceira semana, com capacidade germinativa ate 80%. É melhor semear várias vezes sucessivamente a partir de Abril, para dispor sempre de folhas frescas de endro. O endro não suporta a transplantação. Pouco antes da floração, arranca-se toda a planta do solo e dependura-se para secar. Os frutos (sementes) colhem-se directamente das.

Canela

Canela

Com o nome de canela conhecem-se no comercio diferentes tipos de cascas que se empregam como condimento e se obtêm de diversos arbustos pertencentes à família das Lauráceas. A espécie melhor e mais utilizada é o Cinnamomum Ceylandicum, procedente de Ceilão, onde é abundantemente cultivado. Também é explorada noutros países como Java, Sumatra e a América do Sul. Das cascas dos ramos novos obtêm-se os delicados cilindros, pardo-avermelhados, utilizados no comércio. Caracterizam-se por um sabor fortemente aromático, algo picante e ao mesmo tempo doce. Composição Um óleo essencial que atinge proporções de 0,5 a 4 %. Também contém uma suave resina aromática, um corante que tem ferro e gomas. Aplicações.

Estragão

Estragão

O estragão (Artemisia dracunculus) pertence à família das Compostas. É oriunda da Rússia Meridional e da Mongólia. Poucas vezes aparece no estado silvestre. Quando começa a floração corta-se a planta rente com a terra, ata-se em ramos e seca-se se não se utiliza fresca. Folhas isoladas podem cortar-se durante todo o ano. Deixam-se secar as folhas num lugar quente (uns 35º C), voltando-as com frequência. Retêm também a sua força como condimento durante muito tempo. Composição e aplicações Quanto a matérias vivas só se conhece como importante o seu teor de iodo. Nada de definitivo se pode dizer quanto ao seu modo de actuar, dado o desconhecimento existente a respeito.