Aspérula

Aspérula

As Rubiáceas oferecem-nos a aspérula (Asperula odorata), presente nas montanhas do Centro e do Norte da Península Ibérica. Devem cortar-se antes da floração as folhas recentes e verdes perto do solo. A aspérula, uma vez em flor, já não se colhe. Como há o perigo de se lhe arrancar a raiz, não se devem puxar as plantas, mas têm de ser cortadas cuidadosamente. Em cada parcela deixa-se uma parte das plantas sem lhes tocar. Para secar as folhas, estendem-se numa camada delgada. O local deve ser ventilado e sombrio. Para apressar o processo da secagem, dão-se várias voltas às folhas. Há que evitar a secagem em estufa, porque o calor.

Manjerona

Manjerona

A manjerona (Origamim majorana) pertence à família das Labiadas; é de origem africana e encontra-se subespontânea ou cultivada em todo o Portugal. A manjerona necessita de um solo leve, mas nutritivo. É excelente o solo pantanoso ou semi-pantanoso. No cultivo da horta, semeiam-se as sementes (que é melhor misturar com areia) em Março, em alfobres. Depois das geadas de Março-Abril faz-se a transplantação para terreno livre, distanciando a planta 20 a 40 centímetros. Com bom tempo são possíveis duas colheitas em média. Nas zonas que oferecem perigo de geadas pode proceder-se à sementeira directa em sulcos, na Primavera. A capacidade germinativa é de 70 a 90 %. A germinação produz-se.

Eucalipto

Eucalipto

A família das Mirtáceas conta com numerosas espécies de Eucaliptos, género originário da Austrália e amplamente cultivado na Ásia e na América. Numerosas plantações destas árvores têm sido efectuadas com o objectivo de sanear os terrenos pantanosos na luta contra o paludismo, particularmente na Itália. O eucalipto é uma árvore que cresce rapidamente e pode atingir grande altura, chegando em casos de corpulência gigantesca a 155 metros. Composição e propriedades Da casca de eucalipto obtém-se, mediante incisões, uma resina que se torna muito espessa depois de algumas horas, endurecendo pela acção do sol. Este produto chama-se quina. A quina é uma espécie de goma que se obtém igualmente do Eucaliptus.

Borragem

Borragem

A família das Borragináccas proporciona-nos como saborosa especiaria vegetal a borragem (Burrago Oficinalis). Espontânea e cultivada encontra-se em quase toda a Península Ibérica. Antes e durante a floração cortam-se as folhas à tesoura, pois só se empregam frescas como condimento ou como aditamento a uma salada. As folhas secas perdem sabor e são de conservação difícil. Cortam-se de Junho a Agosto e secam-se o mais rapidamente possível. As flores, empregadas muitas vezes como elemento decorativo, também se colhem. A sementeira faz-se na Primavera em filas; a distância entre os sulcos deve ser de 25 cm. O mais prático é fazer várias sementeiras seguidas, porque as folhas jovens são as mais.

Levístico

Levístico

O levístico (Levisticum officinale) pertence às Umbelíferas. Não e muito exigente quanto ao clima e desenvolve-se mesmo em ambientes agrestes. Semeia-se na Primavera, em sulcos. Depois de criar raízes, transplanta-se na Primavera ou Outono a distâncias de 35 a 50 cm. Como para o consumo caseiro bastam poucas plantas, o melhor é procurar-se estacas de raiz e plantá-las directamente no terreno conveniente. As folhas cortam-se de Junho a Agosto para o consumo caseiro. No Outono e na Primavera desenterram-se as raízes. As folhas estendem-se numa só camada e deixam-se secar. As raízes devem ser lavadas primeiro, depois cortadas e, finalmente, atadas em feixes, dependurando-se para secarem em lugar bem ventilado..