Muito próximo do pepino, o melão (Cucumis melo) procede das zonas tropicais da Ásia e da África, e pertence à família das Cucurbitáceas.
Os melões apresentam-se nos países quentes em grandes quantidades de formas e de variedades.

Composição, propriedades e usos

A composição nutritiva dos melões é a seguinte: proteínas, 0,7-1 %; gorduras, 0,25-0,33 %; hidratos de carbono, 2-6 %; água 90 %. Nesta última fracção encontram-se 8 mg % de sódio, 75 mg % de potássio, 11 mg % de cálcio, 3 mg % de magnésio e 1 mg % de ferro. Entre as vitaminas é de interesse o teor em vitamina A, com 600 U. I. em 100 g de substância fresca, e a maior distância encontra-se a vitamina Bi com 6 gammas, a B2 com 35 gammas, o ácido nicotínico com 0,2 mg e, por último 7 mg de vitamina C.
Referindo-se à suculência dos frutos dizem os vendedores de melões napolitanos: «Coma, beba e lave a cara com eles». Os melões utilizam-se como sobremesa, geralmente frescos, com ou sem açúcar e às vezes condimentados com gengibre.
O melão suculento é muito refrescante. Os melões podem também usar-se como compota ou utilizar-se para fazer marmelada.
Na França, empregam-se muito os melões como acepipe condimentados com sal ou pimentão. Consumidos em grandes quantidades podem causar peso no estômago, cólicas e diarreias.

Comentários