Couves

Couves

A couve (Brassica) pertence à numerosíssima família das Crucíferas (umas 1900 espécies), que compreende quase sem excepção todas as verduras. Contém numerosos óleos consistentes e enxofrados que estimulam o apetite e reforçam assecreções das glândulas, especialmente no tubo gastrintestinal. Esta planta está largamente representada em Portugal. As formas de cultivo mais comuns são a couve portuguesa, a couve galega, a couve lombarda, a couve crespa ou de Sabóia, a couve de Bruxelas, a couve-rábano, a couve-flor, o repolho, os bróculos, os nabos e as nabiças. Composição e propriedades Até hoje, infelizmente, não nos podem dizer muita coisa os químicos a este respeito. Conhece-se, porém, o conteúdo das diferentes variedades de.

Feijão

Feijão

Os feijões (Phaesolus vulgaris) pertencem à família das Leguminosas e possuem um talo alto que se enrola para a esquerda, ao passo que o feijão anão (Phaesolus nanus) é uma planta com um talo só de 30 a 50 cm e que não se enrola. É muito comum em Portugal. Muito antes do descobrimento da América, já ali se cultivava o feijão. Os espanhóis trouxeram-no para a Europa, no século XVI, mas não se lhe prestou a princípio grande atenção. Mais tarde, ocupa o lugar da fava (Vicia faba), tão apreciada pelos Germanos. Algumas espécies consideram-se tóxicas se forem consumidas cruas. A toxicidade varia conforme a espécie, a região e.

Armole

Armole

Pertence à família das Quenopodiáceas (Chenopodium bonus Henricus). Também chamada, nalguns países, pé de vaca, espinafre silvestre e língua de cão. Frequente em zonas areentas e alagadiças, principalmente do litoral. Como planta medicinal é pouco usada actualmente, e não há motivo para que o seja. As folhas que podem colher-se quando não há outro vegetal disponível empregam-se como o espinafre, e aproveitam-se nas sopas de ervas silvestres.

escorcioneira preta

escorcioneira preta

A escorcioneira preta (Scorzonera hispânica) da família das Compostas, encontra-se espalhada por toda a Espanha e também em Portugal (Trás-os-Montes e Beira), embora não abundantemente, entre pedregulhos, rochas e colinas secas. O suco leitoso, de sabor doce, tem sido pouco estudado cientificamente, e até agora conhece-se entre os seus elementos constitutivos a presença de um glicósido (inulina), asparraguina e colina. Sob o ponto de vista médico, pouco se pode dizer acerca dos seus efeitos. A medicina popular fala de efeitos sedativos para o sistema nervoso, ajudando o sono. A planta é bianual? o primeiro rebento só produz raízes delgadas, mas muito tenras, e o segundo, outras mais grossas e duras.

Hera-Terrestre

Hera-Terrestre

A hera-terrestre (Glechoma hederacea) encontra-se em Trás-os-Montes, Minho e Beira, em lugares húmidos e sombrios. Em Maio e Junho, extraem-se do solo as plantas em flor, limpando-as de raízes e de terra e recolhendo-as em cestos. As plantas que têm galhas (excrecências carnosas) não se podem aproveitar. Secam-se em lugares à sombra e ventilados, colocando as folhas numa só camada. Deve conservar-se a cor da planta. A folha cheira a especiaria e tem um sabor amargo. Conserva-se em saquinhos. Composição e propriedades Corno substâncias activas encontraram-se ato hoje: 0,06 % de um óleo essencial verde escuro, resina, cera, 3 % de gordura, 2,5 % de açúcar e tanino. Pelo seu.