Amoreira

Amoreira

No que diz respeito aos objectivos deste livro, achamos que devemos incluir neste capítulo todas as «amoras», cujos frutos pretos, comestíveis, têm propriedades semelhantes às do Rubus fructicosus. Esta espécie dificilmente se diferencia de outras muito afins como Rubus discolor, R. thyrsoideus, R. amoenus que, com o Rubus caesius, são muito frequentes na Península Ibérica, apresentando vários nomes, conforme as regiões. Aparece sobretudo nas orlas dos bosques, dos prados, nas sendas das montanhas e colinas. De Junho a Setembro cortam-se as folhas com o talo, à tesoura, e deitam-se numa cesta. Retiram-se as folhas descoradas. Colocam-se o mais depressa possível numa camada fina no solo para secar, guardando-as depois em.