Maçãs

Maçãs

A maçã (Pitus malus) já era conhecida e apreciada entre os povos cultos da Antiguidade. Encontramos o seu cultivo tanto entre os Israelitas, Gregos e Romanos, como entre os nossos mais remotos antecessores. Da Idade Média temos numerosos testemunhos que nos informam sobre o alto nível do cultivo da maçã e mais especialmente acerca do cultivo da maçã silvestre. Em numerosos cruzamentos com tipos da Europa, Ásia e Ultramar, apareceram as variedades hoje conhecidas, que passam de 600. Muitos milhões de maçãs proporcionam hoje não só um apetitoso alimento como também uma valiosa matéria-prima para numerosos ramos de indústria, como sejam os fabricos de marmeladas e de sumos. Botânicamente, a.

Limões e laranjas

Limões e laranjas

Quando antigamente nas cidades sitiadas, nas grandes viagens por mar, nas expedições polares, havia insuficiência de alimentos frescos, surgia nos habitantes ou nos viajantes uma doença que Cordus descreveu pela primeira vez, em 1534: o escorbuto. Bem depressa se compreendeu, também, que os vegetais verdes e as frutas podiam evitar e curar a doença. Sabemos hoje que tal doença é causada sobretudo pela falta de vitamina C, substância esta que em 1928 Szent-Gyôrgly conseguiu isolar como corpo químico puro e mais tarde se chamou ácido ascórbico. Os marinheiros holandeses já haviam descoberto, no século XVI, o efeito antiescorbútico dos limões (Citrus limonurti) e das laranjas (Citrus aurantium) e realmente as.

Pêras

Pêras

Quem se quiser libertar de hidropisia ou das gorduras inúteis, deve substituir a sua alimentação corrente por pêras cruas ou cozidas, eventualmente em combinação com leite ácido e pão integral . A pêra de que hoje dispomos, de variadíssimo e selecto sabor, é também antiquíssima na sua forma de cultivo. A sua limitada conservação e o apreço elevado das espécies de maturação tardia não lhe permitem alcançar a grande importância que tem a maçã. Composição e propriedades Sob o ponto de vista da fisiologia da nutrição, há que ter em conta que o conteúdo em  substâncias calóricas é muito baixo, como em todas as frutas. 100 gramas produzem umas 50.

Calendário de frutos de baga

Calendário de frutos de baga

Nome comum Nome latino Meses de colheita Possibilidades de aproveitamento Abrunhos Prunus Spinosa Julho a Outubro Sumo, produz boa geleia. Conserva (agridoce) Amoreira Rubus Fructicosus Junho a Outubro Consumo em cru, sumo, refrescos, sopa fria, compota, marmelada, geleia doce, conserva. Folhas em infusão. Arandos Vaccinium myrtillus Junho a Setembro Consumo em cru, sumo, bebidas, sopa, compota, marmelada, doce, conservas, pastelaria. Arandos Encarnados Vaccinium vitis idaea Julho a Outubro Consumo em cru, sumo, refrescos, sopa, compota, marmelada, geleia, doce, pastelaria, conserva. Berberis Berberis vulgaris Agosto a Outubro Compota, sumo, xarope, marmelada, geleia, conserva, substituto de sumo de limão difíceis de converter em geleia. Espinheiro Amarelo Hipporphae Rhamnoides Maio a Outubro Sumo,.

Cerejas

Cerejas

Não só os pequenos e os pássaros consomem gostosamente as cerejas, mas também os adultos, por causa da sua polpa refrescante. A cereja (Prunus avium) é uma espécie cultivada da cereja silvestre que uma vez ou outra descobrimos nos bosques e que antigamente se dava em quase toda a Europa, até na Noruega, com abundância. Parece que procede do Cáucaso, onde ainda existe no estado selvagem. Propriedade e emprego Examinemos as cerejas, quanto às energias que contêm e quanto às suas possibilidades de aproveitamento. Actuam, como a maior parte das rosáceas, nas vias gastrointestinais e nos seus órgãos anexos, a glândula hepática e o pâncreas. Como os morangos, também as.