Romãs

Romãs

A romãzeira (Punica granatum), pertencente à família das Mirtáceas, é rara na Europa Central, mas cultiva-se em grande quantidade na Europa do Sul e no Norte de África. É uma das espécies cultivadas desde os mais antigos tempos e empregadas em usos domésticos. Nos textos do antigo Egipto encontra-se mencionada sob o nome de «schedech-it» uma espécie de limonada que se obtinha da polpa da romã, um pouco ácida e refrescante. No Pentateurco regista-se com frequência como os Hebreus, durante a sua peregrinação pelo deserto, dirigidos por Moisés, acharam a falta das romãs e das uvas do Egipto. No templo de Salomão foi usada a romã como motivo decorativo. Também.

Marmelos

Marmelos

Os marmeleiros (Cydonia vulgaris) crescem como arbusto ou árvore até quase à altura de quatro metros. Os marmelos têm pevides, que na água soltam uma substância viscosa. No Cáucaso, Arménia, Ásia Menor e parte da Pérsia crescem marmeleiros silvestres, e na velha Grécia as «maçãs de ouro» eram consagradas à deusa do amor, Afrodite. Como muitas outras rosáceas, os marmelos chegaram até nós através da Grécia e da Itália. Bem maduros podem consumir-se crus. Toda a dona de casa que alguma vez tenha provado a saborosa marmelada, geleia ou pasta de marmelo, não deixará de as querer também fazer. Os marmelos contém tal quantidade de pectina que não necessitam de.

Ananas

Ananas

Esta fruta de rara estrutura e de maravilhoso aroma procede da América tropical; mas cultiva-se também noutros países de clima tropical ou subtropical. A perene raiz do ananás (Ananas sativa) produz uma roseta que consta de um eixo central com numerosas florinhas isoladas, cujos frutos com as folhas de recobrimento convertidas em ponta e o mesmo eixo constituem a fruta amarela sem semente. Composição Embora se trate de uma fruta cara, a verdade porem é que é importada em grande quantidade. Pode ser considerada como alimento e como remédio. Possui, além disso, uma característica de grande valor em medicina que a distingue das outras frutas. Vejamos, em primeiro lugar, a.

Nêsperas

Nêsperas

Estes frutos têm um sabor bastante áspero. Contêm no seu interior cinco caroços e no estado silvestre são práticamente incomestíveis. Quando, porém, são submetidos a temperaturas baixas ou permanecem durante várias semanas conservados em palha, tomam uma consistência pastosa e adquirem o cheiro característico da fruta e um sabor entre doce e ácido. Por causa do seu elevado conteúdo de pectina não se pode obter o sumo de modo que interesse. A nespereira pode melhorar-se como árvore frutífera mediante enxertos em pereiras, macieira (Pirits), marmeleiro (Cydonia) ou espinheiro branco (Crataegus). As variedades cultivadas são as de fruto grande e conforme a forma chamam-se nêspera-pêra ou nêspera-maçã. Regulador das funções intestinais.

Sabugueiro

Sabugueiro

O salgueiro (Sambucus nigra), pertence à família das Caprifoliáceas. Encontra-se quase sempre na forma de arbusto ou árvore pequena, de três a seis metros de altura. O tronco possui uma casca parda e acinzentada, quebradiça, nodosa, de odor desagradável. As ramas, redondas, aos pares, uma em frente da outra, estão cheias de uma polpa espessa e branca. Os frutos são bagas de cor negra, violeta, redondas; contêm sumo negro, violeta ou vermelho, duas ou três sementes ovais e pardas. Os cimos cortam-se à tesoura e colocam-se em cestos, estendendo-se depois numa só camada, no chão de um desvão ventilado e sombrio para secarem. Isto não se deve fazer muito devagar,.