Tramazeira

10 Ago 2017
Comments
Tramazeira

A tramazeira, também conhecida por cornogodinho (Sorbus aucuparia), pertence à família das Rosáceas. Encontra-se na regiões montanhosas de Trás-os-Montes, das Serras do Gerês, da Estrela e de Teixoso, e no distrito de Castelo Branco. Quando as suas bagas estão vermelhas e portanto maduras, cortam-se os cachos em umbela inteiros. Em casa, separam-se as bagas dos seus pedúnculos. Quando não se aproveitam frescas, secam-se durante alguns dias à temperatura ambiental debaixo de telha, submetendo-se depois a calor artificial até ficarem absolutamente secas. O mais prático é guardá-las em sacos, que devem ser vistoriados de tempos a tempos. O cultivo da tramazeira foi aumentando de importância nos últimos anos, sobretudo desde que.

Abrunhos

17 Jun 2017
Comments
Abrunhos

O frequentemente desprezado abrunheiro (Prunus Spinosa) pertence à família das Rosáceas, dá-se em toda a Península Ibérica, em sebes, matos e lugares pedregosos. Este arbusto tem muitos nomes. Costuma apresentar-se como arbusto espinhoso perene bastante espesso, com a casca quebradiça, cinzento-escura, de mais de dois metros de altura. Os frutos, quase esféricos, sumarentos e de sabor amargo, com um só caroço grande, quando maduros têm uma cor azulada; o interior é polpudo e verde. Colhem-se e empregam-se as flores, seguindo as normas repetidas nas espécies anteriores. Composição Nas sementes, encontram-se geralmente 3 % de amigdalina, óleo gordo e emulsina; nas folhas, um glicósido e nas flores pequenas quantidades de glicósidos.

Espinheiro amarelo

07 Jun 2017
Comments
Espinheiro amarelo

O espinheiro amarelo (Hippophae rhamnoides) pertence à família das Elaeagnáceas. É um arbusto de muita ramagem e atinge até uns seis metros de altura, com muitos espinhos direitos e com ponta comprida. O melhor método e mais rápido de colher as bagas é cortá-las à tesoura com o seu pequeno talo. Abaixa-se a rama com uma corda, prendendo-a a uma estaca enterrada no chão; ter cuidado, ao inclinar os ramos, pois quebram-se com facilidade no seu arranque. As bagas cortadas deixam-se cair num pano limpo estendido no chão. A reprodução pode efectuar-se por semente, estaca ou renovos radiculares. O solo deve ser o mais calcário possível, húmido e exposto ao.

Roseira Silvestre

01 Jun 2017
Comments
Roseira Silvestre

Pertence a conhecidíssima rosa silvestre (Rosa canina) à família das Rosáceas. A sua popularidade fica demonstrada pelas numerosas designações que apresenta. Tem muitas variedades, com as mesma aplicações, conhecidas com diversos nomes, conforme as regiões. A roseira silvestre ou roseira-brava forma arbustos lenhosos com grandes ramos, defendidos com espinhos torcidos em forma de anzol. É no Outono que se colhem os seus frutos. É preciso cuiiado para não se apanharem arranhões tanto nas mãos, como nos braços e na roupa. Limpam-se dos restos dos talos e das flores. Se não se consumirem frescos, devem ser estendidos numa só camada para secar. Quando estiverem secos, passada uma semana, acabam-se de secar.

Arandos encarnados

05 Mai 2017
Comments
Arandos encarnados

A família das Eriáceas fornece-nos arandos encarnados (Vaccinium vitis idaea). Aparecem em turfeiras, de preferência em solos pouco calcários, em prados e bosques. O arando encarnado floresce de Maio a Agosto, formando pequenos arbustos vivazes, cujas bagas se colhem em Julho, em cubas ou cestos. Formam cachos, e tem um sabor levemente ácido; são aromáticos e adstringentes. Composição Como substâncias activas e estruturais, encontram-se em suas folhas arbutina, metilarbutina, ericolina e tanino e nos bagos muitos ácidos de tanino e outros orgânicos.   Modo de actuar e aplicações Como planta curativa, por causa do conteúdo em arbutina e metilarbutina, podem empregar- se as folhas dos arandos encarnados nas inflamações dos.