A melissa ou erva-cidreira (Melissa officinalis) pertence às Labiadas e encontra-se cultivada e subespontânea em todo o Portugal, sobretudo em terrenos montanhosos e nos bosques. Precisa de um lugar protegido, não muito seco, e de um solo nutritivo. A reprodução pode fazer-se mediante a semente em alfobres ou por espeques de raiz. São precisos de dois a cinco gramas de sementes para 100 metros quadrados de terreno. A germinação dura quase quatro semanas. Os rebentos novos plantam-se à distância de 30 X 40 centímetros. A plantação deve renovar-se de cinco em cinco anos.
Antes de dar flor e em tempo seco e quente, cortam-se-lhe as folhas. Fazendo-o com frequência multiplica-se-lhes o crescimento. Uma vez separadas todas as impurezas, secam-se as folhas o mais rapidamente possível num lugar arejado e sombrio. O tempo húmido durante a secagem prejudica o bom aspecto das folhas. A melhor maneira de conservar as folhas, uma vez secas, é guardá-las em recipientes hermeticamente fechados.

Composição e propriedades

As matérias activas ate agora conhecidas são: 0,15% de óleo essencial, assim como aloés, tanino, resina o mucilagem.

Emprego medicinal

O óleo essencial e capaz de actuar como dissolvente de congestões e como analgésico, sendo os seus efeitos muito semelhantes aos do óleo da hortelã-pimenta. A erva-cidreira é muito própria para mulheres e crianças delicadas e débeis. O óleo e a essência de erva-cidreira, empregados exteriormente, amortecem as dores de dentes, dos ouvidos e da cabeça,assim como as enxaquecas. Para uso interno, 20 g de folhas tomadas em infusão diariamente acalmam os estados nevrálgicos e traumáticos, os estados gastrintestinais semelhantes à cólica e são um calmante para os vómitos nervosos das mulheres grávidas. Especialmente nas mulheres e nas jovens anémicas, a erva-cidreira influi favoravelmente quase sempre nos períodos débeis e dolorosos. A sua eficácia deve atribuir-se a uma maior irrigação dos pequenos órgãos da pélvis. O efeito calmante e soporífero desta planta nos nervos e no cérebro e a considerável eficácia como antiespasmódico e como reconstituinte do aparelho gastrintestinal, do coração e da matriz, dão à erva-cidreira um lugar importante como planta medicinal.

Uso como condimento

Em todos os cozinhados que levem limão, podem também empregar-se folhas frescas de erva-cidreira, especialmente em saladas, sopas, molhos, regime dietético, legumes crus, sopas de fruta, sobremesas de leite e sumos de frutas. A erva-cidreira não deve ser cozinhada com o alimento, pois perde o sabor.

Comentários