O damasco (Arrneniaca vulgaris) contém apenas uma pequena quantidade de proteínas que não chegam a 0,8 %, 0,1 % de gorduras e 10-12 % de hidratos de carbono. É um alimento energético de pouco valor. No estado seco, uma vez que o elevado conteúdo de água dos frutos frescos baixou de 86 para 23 por cento, o seu valor energético fica consideravelmente aumentado, acontecendo o mesmo com as proteínas que sobem cinco por cento do peso, as gorduras sobem para 0,4% e os hidratos de carbono para 67 %. Os frutos frescos produzem 50 calorias por cada 100 g, ao passo que os secos chegam até 300 calorias. A sua composição tem uma percentagem relativamente elevada em ferro e cobre, pelo que os damascos fazem parte dos regimes indicados nas anemias de qualquer tipo.

Efeitos das deficiências de vitamina A

A mais interessante de todas as suas características é o seu elevado conteúdo de vitamina A, realmente extraordinário, pois dá 500-3000 U. I. por cento nos frutos frescos e chega até 7430 nos secos. Os frutos secos cozidos reduzem este número a 2000 U. I., ao passo que os açucarados e de conserva só têm 1350. No que diz respeito às outras vitaminas, os damascos contêm a respeitável quantidade de dez gammas de vitamina B1, 160 gammas da B2, 12 mg da C e 33 mg de ácido nicotínico, por cada 100 gramas de damasco seco.

O seu excepcional conteúdo de vitamina A faz dos damascos um regime alimentar de eleição nos casos de deficiências desta vitamina, assim com nas alterações da pele e das mucosas, infecções cutâneas, na cegueira nocturna e nos períodos de gestação e da lactância, e ainda na convalescença de doenças graves, especialmente as de origem infecciosa, assim como nos processos de cura lenta, inapetência, fraqueza, anomalias do crescimento, doenças glandulares, processos patológicos das células hepáticas e do seu funcionamento e, finalmente, nas alterações da menstruação e na debilidade dos órgãos femininos.

A melhor forma de utilização é com os frutos secos amolecidos com o sumo, frios ou quentes, mas nunca cozidos, tomados no princípio da refeição.

Comentários