Cominho

Cominho

O cominho (Canan carvi) pertence como o coentro à família das Umbelíferas. Encontra-se nos prados das montanhas do norte e do centro da Península. No primeiro ano de cultivo recomenda-se que o terreno seja fortemente adubado com estrume. Como o cominho só pode ser colhido no segundo ano, o melhor e semeá-lo com outro fruto intermédio que amadureça no princípio do Verão (ervilhas, cevada, aveia) para que o cominho tenha tempo de sobra para a formação da sua folhagem. Mil grãos pesam 2,56 gramas. A quantidade de semente por are cm terreno aberto é de 100 gramas. A distância entre fila e plantas deve ser nos dois casos de 30.

Salgadura

Salgadura

Salgadura Mediante a salgadura podemos conservar ervas frescas. As folhas ou raízes frescas picam-se, cortando-as o mais possível, não sobre uma tábua mas numa superfície de porcelana ou numa lousa. As ervas picadas misturam-se depois com sal (para 1 quilo de ervas, 150g de sal), apertam-se fortemente em frascos de vidro ou de barro e recobrem-se com uma camada de sal. Fecham-se os recipientes com celofane ou papel-pergaminho e colocam-se em lugares frescos e secos. Assim é possível ter durante o Inverno ervas frescas salgadas como condimentos para saladas. Não é preciso deitar sal nos alimentos quando se cozinham, para não lhes prejudicar o sabor. É de recomendar não pôr.

Alecrim

Alecrim

O alecrim (Rosmarinus officinalis) é frequente nos lugares secos e pedregosos, charnecas e pinhais do Centro e Sul de Portugal. Cultiva-se em todo o País. Pouco antes de dar flores, cortam-se cuidadosamente os rebentos e arrancam-se as folhas. Seca rapidamente, se se colocar num celeiro sombrio e ventilado. Durante lodo o ano conserva valor como condimento. Deve ser guardado em recipientes hermeticamente fechados. Composição e propriedades O óleo essencial (de 1 a 2,5 %) os terpenos, o ácido tânico e o aloés que contém constituem os principais elementos activos do alecrim. Aplicações medicinais O alecrim possui um quádruplo campo de acção: a) O aparelho gastrintestinal, cujas glândulas excita para uma.

Ceboleta Francesa

Ceboleta Francesa

A ceboleta francesa (Allium shoenoprasum) pertence à Família das Liliáceas. Cultivado e espontâneo em regiões montanhosas. A ceboleta francesa silvestre pode colher-se entre a Primavera e o Outono, cortando-se em pequenos tufos à superfície do solo. Quanto possível empregar-se-á crua, visto que ao secar perde muito do seu valor como condimento. Se se quer secar, deve proceder-se lenta e cuidadosamente. A planta prefere o solo calcário, rico em húmus e um pouco húmido. A partir de Março começa a sua cultura com a sementeira em alfobres ou em vasos. As plantas já fortes transplantam-se. Outro meio de reprodução é a plantação de estacas de raiz no Outono, que se enterram.

Envasadura

Envasadura

Podemos conservar frescas durante o Inverno um reduzido número de plantas para condimentos se no Outono as plantarmos em vasos (envasadura) e durante o Inverno as deixarmos desenvolver-se num local iluminado e quente junto da janela.