Toda a técnica de dar o peito ao pequeno consiste em fazê-lo de modo que não se torne um ato molesto para nenhum dos intervenientes. Nos primeiros dias, nos quais a criança permanece continuamente deitada, deve também a mãe dar-lhe de mamar deitando-se precisamente para o lado do peito que vai utilizar. Depois, há-de sustentar o pequeno com um braço de tal maneira que nele descansem a cabeça e o
ombro da criança e com a outra mão levantará o peito até à posição exata para lhe introduzir o mamilo na boca, devendo o nariz estar completamente livre. Quando a mãe já não estiver de cama, realizará sempre esta operação sentada comodamente, numa cadeira baixa e com encosto. O menino
deve ficar atravessado no regaço, ao passo que a criança deve apoiar o pé do mesmo lado que está dando o peito sobre um banquinho, para não estar curvada a fim de não sentir as dores de costas e o cansaço produzidos por uma posição inadequada.
O tempo de cada mamada não deve exceder, regra geral, quinze minutos. Períodos maiores, além de cansarem a mãe, também facilitam a formação de úlceras nos mamilos. O receio de que o pequeno não tenha tomado o suficiente é totalmente infundado, porque a maior parte da sua ração toma-a nos primeiros cinco minutos. No caso de crianças que mamam com preguiça ou que o não fazem com torça suficiente, pode prolongar-se ou extrair o leite depois dos quinze minutos, com o objectivo de manter a formação láctea. Para o caso de tais crianças deve ser pedido conselho médico.

Comentários