A cenoura silvestre (Daticus carota), tal como cresce em solos pobres, à beira dos caminhos e nas entulheiras, não desempenha nenhum papel na alimentação nem na medicina.
Pelo contrário, a cenoura cultivada (Danais carota varsaliva) de tubérculo grosso e polposo, é com toda a razão muito popular.

Composição e propriedades

Não é muito sabido que as cenouras não só conferem valores nutritivos, mas que também têm um valioso teor em vitaminas, minerais e oligoelementos. A sua melhor característica parece ser o seu elevado teor em caroteno, a provitamina A, ao passo que a vitamina A já formada figura em pequena quantidade. É também abundante o seu teor em factores do grupo da vitamina B. Só em doses reduzidas é que figura a vitamina C. Quanto a minerais e a oligoelementos, quase sempre na forma dos seus respectivos sais, provou-se a presença de magnésio, ferro, cálcio, potássio, fósforo, arsénico, níquel, cobre, iodo e manganês, salientando-se pela sua quantidade os sais de potássio e de fósforo.
Decisiva para uma série de efeitos especiais da cenoura e, finalmente, a presença de óleos essenciais e pectina, uma matéria que, como a pectina da maçã, fomenta a formação de gelatina.
100 g de cenoura contêm de 1,8 a 7,2 mg de caroteno. A cocção, a exposição ao vapor de água e o sistema de conserva não influem praticamente no teor do caroteno e da vitamina A. O caroteno trans- forma-se no organismo, e especialmente no fígado, em vitamina A (uma molécula de caroteno dá lugar a duas moléculas de vitamina A).
O aproveitamento do caroteno na alimentação vegetal calcula-se em 50 % embora os dados a este respeito sejam muito variados. A riqueza especial em sais potássicos leva a um efeito diurético rapidíssimo e os óleos essenciais são a origem das características vermífugas.

A cenoura, fonte de vitamina A

Diz-se frequentemente que a nossa alimentação habitual é suficiente para obter quantidades suficientes de vitamina A, tanto para as crianças como para os adultos, porque contém leite, manteiga, gema de ovo, hortaliças, cenouras e alfaces, na sua forma final ou como caroteno.
Mas, pelo contrário, dá-se o facto de muitas crianças raquíticas, escrofulosas ou tuberculosas e outras com deficiências inicias menos graves necessitarem de vitamina A. Numerosas investigações têm demonstrado que precisamente as crianças precisam de muito tempo para ver na escuridão, isto é, mostram dificuldades de acomodação, o que sabemos ser um indício de pobreza em vitamina A.
Análises cuidadosas sobre as causas de insuficiência em Vitamina A ou em carotinóides deram o seguinte resultado:

1) Há uma oferta insuficiente na alimentação.

2) A má digestão das gorduras prejudica a trituração e absorção dos elementos activos dissolventes das gorduras, entre os quais figura a vitamina A e os seus produtos prévios.

3) Os processos defeituosos de constituição e estrutura do organismo levam à insuficiência biliar.

Por isso, a presença no organismo de suficiente vitamina A depende do conveniente consumo através da alimentação, da existência de uma digestão normal das gorduras, em que desempenham função decisiva os chamados ácidos gordos não saturados linólico e linoleico, e do desenvolvimento normal do processo metabólico após a absorção desses alimentos através do intestino.
A vitamina A é imprescindível para múltiplas funções orgânicas pelo que se deve evitar por todos os meios a sua insuficiência na alimentação. O modo mais simples de o conseguir consiste em consumir diariamente, se for possível, entre meio copo e um copo de cenouras frescas.

Necessidades especiais dos condutores de veículos

A este respeito convém dedicar um parágrafo especial aos condutores de automóvel. Tanto o caroteno como a vitamina A estão intimamente relacionados com a visão nocturna. A retina do olho consome continuamente matérias clorofílicas amarelo-vermelhas para a formação de um pigmento intensamente vermelho, a púrpura retiniana. Este elemento é decisivamente importante para a capacidade de visão do olho, a fim de se adaptar às condições de luminosidade existente, a cada momento. O abundante consumo de cenouras aumenta essa capacidade da visão que tecnicamente se denomina «faculdade de acomodação», ao passo que a sua dissimulação ou carência é conhecida por «cegueira nocturna» ou «hemeralopia».
Nunca é demais insistir em que todos os condutores de automóveis devem consumir normalmente cenouras com abundância, muito bem mastigadas, ou, melhor ainda, que bebam sumo de cenoura fresca para reduzir ao mínimo o perigo do encandeamento na circulação vespertina ou nocturna. A indústria farmacêutica tem sabido naturalmente aproveitar-se da eficácia da cenoura e já produziu uma especialidade, baseada principalmente nas substâncias integrantes da cenoura, que reforça também a faculdade de adaptação
da vista em diferentes intensidades de luz e especialmente na escuridão.

Outras aplicações

A expulsão de lombrigas intestinais consegue-se pelo modo mais simples e seguro, tomando em jejum, durante 24 horas, de meio a um quilo de cenouras raladas. Também os oxiuros desaparecem com toda a segurança, tomando regularmente em jejum, de manhã, e antes de se deitar, à noite, uma ou duas cenouras.
Nas crianças, além da alimentação normal dos lactentes, o suco de cenouras ou as cenouras finamente raladas dão excelentes resultados e são de eficácia imediatamente comprovada no caso de crescimento retardado, dentição defeituosa ou insuficiência de resistência contra as infecções. Tratando-se da doença infantil denominada celiaquia, o suco e o puré de cenouras desempenham um papel importantíssimo juntamente com bananas.

Modo de emprego

Puré de cenoura: 200 g de cenouras, bem lavadas em água fria, descascadas, cortadas às rodelas, cozidas num quarto de litro de água fervente durante duas horas, condimentado com uma pitada de sal. As cenouras cozidas são passadas com a água da cocção por um filtro fino, adicionando um pouco de manteiga e açúcar.
Nas crianças alimentadas artificialmente é imprescindível para o crescimento um suplemento de nutrição com sumos de fruta e vegetais, especialmente de cenouras. Basta acrescentar ao biberão uma ou duas colherinhas pequenas.
Aos adultos dão-se cenouras como remédio medicinal, em suco cru, não só no caso de cegueira nocturna e num grande número de outros transtornos oculares, como também na gravidez e na amamentação, transtornos na pele, má formação das unhas, cabelo opaco, quebradiço ou seco, dificuldade na menstruação, assim como dores nos peitos, insónia, depressão, catarros crónicos do nariz e dos seios, perda de olfacto, defesa insuficiente contra as infecções na mucosa das vias respiratórias (bronquite) e, finalmente, transtornos gastrointestinais e hepáticos, tendência para a formação de cálculos e funcionamento excessivo da tiróide.
De maneira impressionante, o suco de cenouras consegue regular a secreção de sucos gástricos. Os valores demasiado baixos de ácidos são incrementados e os demasiado elevados são baixados. O sumo de cenouras faz desaparecer a diarreia nos doentes de estômago sem formação de ácidos, despertando simultaneamente o apetite. Em todas estas doenças não se deve esquecer o reforço eficaz da cura, mediante o consumo diário de meio copo de sumo de cenouras frescas.

Comentários