Zimbro

Zimbro

Nas zonas montanhosas e elevadas de Trás-os-Montes e Minho aparece o zimbro com frequência (Juniperus communis). É um arbusto perene com ramos a partir do solo. As hastes e os ramos são disformes e torcidos. A casca é irregular e tem uma cor parda avermelhada; a madeira é dura e aromática. As bagas maduras de azul escuro colhem-se no tempo seco, escolhendo-se as mais claras, isto é, com menos impurezas, deitando fora as secas ou verdes. Composição Com respeito a substâncias activas e composição, encontra-se açúcar invertido, gorduras, resina, pectina, ácidos orgânicos, a juniperina (glicósido que tem tanino), inosita, pentosanas e um importante óleo essencial que, por sua vez, contém.

Berberis

Berberis

O berberis ou uva-espim (Berberis vulgaris) vive no Norte de Portugal em matagais e bosques das zonas montanhosas, florescendo nos meses do Verão. Os frutos constituem bagas grandes e ovais, chatas, em forma de abano, primeiramente verdes e quando maduram vermelhas, com um ponto negro na parte superior, que sustentam duas sementes grandes e cilíndricas. A polpa do fruto produz um sabor ácido, mas agradável e bastante concentrado. A partir do mês de Agosto, cortam-se os cachos inteiros, antes que as bagas estejam completamente maduras. Em casa, desprendem-se as bagas dos talos e deixam-se prontas, o mais depressa possível. Substâncias activas conhecidas até agora: o envólucro da raiz contem alcalóides.

Maçãs

Maçãs

A maçã (Pitus malus) já era conhecida e apreciada entre os povos cultos da Antiguidade. Encontramos o seu cultivo tanto entre os Israelitas, Gregos e Romanos, como entre os nossos mais remotos antecessores. Da Idade Média temos numerosos testemunhos que nos informam sobre o alto nível do cultivo da maçã e mais especialmente acerca do cultivo da maçã silvestre. Em numerosos cruzamentos com tipos da Europa, Ásia e Ultramar, apareceram as variedades hoje conhecidas, que passam de 600. Muitos milhões de maçãs proporcionam hoje não só um apetitoso alimento como também uma valiosa matéria-prima para numerosos ramos de indústria, como sejam os fabricos de marmeladas e de sumos. Botânicamente, a.

Limões e laranjas

Limões e laranjas

Quando antigamente nas cidades sitiadas, nas grandes viagens por mar, nas expedições polares, havia insuficiência de alimentos frescos, surgia nos habitantes ou nos viajantes uma doença que Cordus descreveu pela primeira vez, em 1534: o escorbuto. Bem depressa se compreendeu, também, que os vegetais verdes e as frutas podiam evitar e curar a doença. Sabemos hoje que tal doença é causada sobretudo pela falta de vitamina C, substância esta que em 1928 Szent-Gyôrgly conseguiu isolar como corpo químico puro e mais tarde se chamou ácido ascórbico. Os marinheiros holandeses já haviam descoberto, no século XVI, o efeito antiescorbútico dos limões (Citrus limonurti) e das laranjas (Citrus aurantium) e realmente as.

Pêras

Pêras

Quem se quiser libertar de hidropisia ou das gorduras inúteis, deve substituir a sua alimentação corrente por pêras cruas ou cozidas, eventualmente em combinação com leite ácido e pão integral . A pêra de que hoje dispomos, de variadíssimo e selecto sabor, é também antiquíssima na sua forma de cultivo. A sua limitada conservação e o apreço elevado das espécies de maturação tardia não lhe permitem alcançar a grande importância que tem a maçã. Composição e propriedades Sob o ponto de vista da fisiologia da nutrição, há que ter em conta que o conteúdo em  substâncias calóricas é muito baixo, como em todas as frutas. 100 gramas produzem umas 50.