Ameixa

Ameixa

A ameixa considera-se oriunda das terras do baixo Danúbio, da Pérsia, da Arménia e do Cáucaso. As cultivações sírias, em volta de Damasco, alcançaram grande fama. Através dos Gregos e dos Romanos, também as ameixas chegaram até nós, embora os Romanos só as cultivassem mais tarde. Segundo se diz na «Capitulare de Villis», Carlos Magno, em 812, mandou plantar ameixeiras, de diversas espécies, nas suas propriedades imperiais. Hoje, as ameixas desfrutam de uma popularidade geral com foros de plantas indígenas. A ameixa autêntica (Prunus domestica) tem diversos nomes, nas várias regiões. Pertence à família das Rosáceas. O abrunho (Prunus insitifia), também chamado abrunho grande, abrunho de enxertar, é diferente botânicamente.

Romãs

Romãs

A romãzeira (Punica granatum), pertencente à família das Mirtáceas, é rara na Europa Central, mas cultiva-se em grande quantidade na Europa do Sul e no Norte de África. É uma das espécies cultivadas desde os mais antigos tempos e empregadas em usos domésticos. Nos textos do antigo Egipto encontra-se mencionada sob o nome de «schedech-it» uma espécie de limonada que se obtinha da polpa da romã, um pouco ácida e refrescante. No Pentateurco regista-se com frequência como os Hebreus, durante a sua peregrinação pelo deserto, dirigidos por Moisés, acharam a falta das romãs e das uvas do Egipto. No templo de Salomão foi usada a romã como motivo decorativo. Também.

Calendário de frutos de baga

Calendário de frutos de baga

Nome comum Nome latino Meses de colheita Possibilidades de aproveitamento Abrunhos Prunus Spinosa Julho a Outubro Sumo, produz boa geleia. Conserva (agridoce) Amoreira Rubus Fructicosus Junho a Outubro Consumo em cru, sumo, refrescos, sopa fria, compota, marmelada, geleia doce, conserva. Folhas em infusão. Arandos Vaccinium myrtillus Junho a Setembro Consumo em cru, sumo, bebidas, sopa, compota, marmelada, doce, conservas, pastelaria. Arandos Encarnados Vaccinium vitis idaea Julho a Outubro Consumo em cru, sumo, refrescos, sopa, compota, marmelada, geleia, doce, pastelaria, conserva. Berberis Berberis vulgaris Agosto a Outubro Compota, sumo, xarope, marmelada, geleia, conserva, substituto de sumo de limão difíceis de converter em geleia. Espinheiro Amarelo Hipporphae Rhamnoides Maio a Outubro Sumo,.

Amoreira

Amoreira

No que diz respeito aos objectivos deste livro, achamos que devemos incluir neste capítulo todas as «amoras», cujos frutos pretos, comestíveis, têm propriedades semelhantes às do Rubus fructicosus. Esta espécie dificilmente se diferencia de outras muito afins como Rubus discolor, R. thyrsoideus, R. amoenus que, com o Rubus caesius, são muito frequentes na Península Ibérica, apresentando vários nomes, conforme as regiões. Aparece sobretudo nas orlas dos bosques, dos prados, nas sendas das montanhas e colinas. De Junho a Setembro cortam-se as folhas com o talo, à tesoura, e deitam-se numa cesta. Retiram-se as folhas descoradas. Colocam-se o mais depressa possível numa camada fina no solo para secar, guardando-as depois em.

Amendoim

Amendoim

O primeiro europeu que nos proporcionou uma relação sobre esta leguminosa procedente do Brasil, e cujo nome científico é Arachis hypogea, que desempenhou activamente o cargo de director de minas em Cuba de 1513 a 1524, onde o encontrou abundantemente cultivado. Actualmente também se cultiva nas regiões tropicais e subtropicais da América, na África Oriental e Ocidental e nas índias Orientais. O amendoim apresenta a particularidade de poder amadurecer os frutos debaixo da terra, donde lhe deriva o nome latino (hypogeus = subterrâneo). Nos países civilizados utilizam-se as sementes maduras ou tostadas como alimento saboroso. Composição e propriedades como fruto oleaginoso Mediante pressão a frio (1ª e 2ª extracção) obtém-se.