Como imaginamos a formação do cancro

Como imaginamos a formação do cancro

Os nossos conhecimentos sobre a formação inicial da deformação celular cancerosa não se baseiam até hoje em motivos claros nem seguros Sabemos, contudo, que intervém toda uma série de factores internos ou externos que podem pela sua intensidade exercer um efeito rápido e ativo ou degenerador e lento, irritando as células na sua vida, até ao ponto de as levar a manifestações vitais de carácter destrutivo. Supõe-se que este processo não afeta a própria célula, nem o seu dispositivo multiplicador, nem muitas das suas funções. Mas leva a uma insuficiente diferenciação e, ao mesmo tempo, a um desenfreamento das suas energias de desenvolvimento, que já não é capaz de fazer.

Problema actual para a ciência e para humanidade

Problema actual para a ciência e para humanidade

O cancro constitui atualmente um dos mais urgentes problemas da medicina. Se há trinta anos a mortalidade pela tuberculose era 25% superior à causada pelo cancro, hoje a proporção está invertida. Não devemos fechar os olhos ao facto de este número estar a crescer. A causa deve procurar-se, antes de mais, no nosso modo de alimentarmos e de vivermos. Por isso, o cancro é algo que nos deve preocupar a todos. É impossível abranger aqui, mesmo que superficialmente o atual critério científico sobre o problema do cancro, tanto mais que já amanhã, por exemplo, se pode ampliar, aperfeiçoar-se ou até desmoronar-se totalmente o que hoje constitui a opinião mais aceite..