Como imaginamos a formação do cancro

Como imaginamos a formação do cancro

Os nossos conhecimentos sobre a formação inicial da deformação celular cancerosa não se baseiam até hoje em motivos claros nem seguros Sabemos, contudo, que intervém toda uma série de factores internos ou externos que podem pela sua intensidade exercer um efeito rápido e ativo ou degenerador e lento, irritando as células na sua vida, até ao ponto de as levar a manifestações vitais de carácter destrutivo. Supõe-se que este processo não afeta a própria célula, nem o seu dispositivo multiplicador, nem muitas das suas funções. Mas leva a uma insuficiente diferenciação e, ao mesmo tempo, a um desenfreamento das suas energias de desenvolvimento, que já não é capaz de fazer.

Causas produtoras do cancro

Causas produtoras do cancro

Entre essas causas conhecemos o alcatrão como fator provocador de cancro em diversos grupos profissionais, como limpa-chaminés, operários que trabalham com pez e asfalto, pescadores, cordoeiros, fogueiros c tecelões de algodão. A este respeito temos de citar o alcatrão do tabaco como causa do cancro. O cancro da laringe é devido em 95 % dos casos ao cancro do fumador, e de 80 a 90 % de todos os casos de cancro bronquial encontram-se em fumadores. Também entre as combinações químicas da anilina se encontram numerosas matérias que provocam o cancro, entre elas o corante azoico chamado vermelho escarlate, que também se contém no anuncio da manteiga, que durante muito.

Problema actual para a ciência e para humanidade

Problema actual para a ciência e para humanidade

O cancro constitui atualmente um dos mais urgentes problemas da medicina. Se há trinta anos a mortalidade pela tuberculose era 25% superior à causada pelo cancro, hoje a proporção está invertida. Não devemos fechar os olhos ao facto de este número estar a crescer. A causa deve procurar-se, antes de mais, no nosso modo de alimentarmos e de vivermos. Por isso, o cancro é algo que nos deve preocupar a todos. É impossível abranger aqui, mesmo que superficialmente o atual critério científico sobre o problema do cancro, tanto mais que já amanhã, por exemplo, se pode ampliar, aperfeiçoar-se ou até desmoronar-se totalmente o que hoje constitui a opinião mais aceite..

Essência fundamental do cancro

Essência fundamental do cancro

O cancro é essencialmente o proteste de grupos de células, a princípio pequenas, mas cada vez maiores, contra a considerável deformação das condições naturais na vida das células, contra a irritação e sobrecarga durante muitos anos, no interior e desde o exterior, das suas funções naturais e das suas manifestações vitais, coincidindo com a insuficiência das matérias ativas e regeneradoras imprescindíveis. O cancro equivale a um absurdo motim dos oprimidos até ao suicídio; é a revolução desesperada contra a irracionabilidade humana. No fundo, o cancro é um sintoma do nosso afastamento da natureza, da falta de sossego e de direção que adquire a sua expressão final no aspecto corporal com.

Localização orgânica dos tumores

A maior parte dos factores gerais do cancro procedentes do nosso meio ambiente vão, como é natural, a parar primeiramente à pele, como fronteira exterior do nosso organismo, ou a superfícies celulares que envolvem e cobrem os órgãos interiores ou que se converteram em glândulas, isto é, praticamente, a todas as mucosas e glândulas. Embora estes tecidos constituam 17,5% do nosso organismo completo, neles se produzem 92 % dos tumores, o que indica, precisamente, que os ditos tecidos são os mais expostos às lesões procedentes do exterior. A isto também se acrescenta a alimentação com a sua íntima relação com as mucosas de todo o aparelho gastrintestinal.