A beterraba vermelha (Bela vulgaris cruenta rubra) é uma variedade de beterraba comum. A sua raiz grossa e carnuda contém um suco vermelho sanguíneo.

Composição

A beterraba apresenta um teor de hidrocarbonatos de 6 a 9%, figurando entre eles sacarose, frutose e rafinose; embora pese ao seu escasso teor em proteína (de 1.10 a 1,8 %), a verdade é que figuram nele os aminoácidos de grande valor biológico: asparraguina, glutamina e glucocola. e um excesso de bases, devido ao seu teor em potássio, sódio, magnésio e cálcio; também se conhece a presença de dois metais raros (rubidio e césio), cujo significado biológico ignoramos completamente. Há que ter também presente o escasso teor vitamínico. Mas tudo isto não nos diz grande coisa com respeito ao verdadeiro significado alimentar, fisiológico e eventualmente terapêutico deste vegetal, enquanto não tivermos análises químicas mais minuciosas.

Propriedades e emprego

Temos de nos fiar por agora nas aparências práticas quanto ao seu valor nutritivo e medicinal, e este fala-nos até hoje de um efeito diurético, de eliminação de sais e de ácidos úricos, de depuração e de renovação do sangue, assim como de excitação do estômago, intestinos, fígado e vesícula. Qualquer pessoa pode sentir rapidamente estes efeitos consumindo duas vezes por dia o suco cru acabado de fazer, numa quantidade de 50 a 100 m3 antes das refeições. Suporta-se melhor diluído. O suco em cru e a salada de beterraba cozida servem para enriquecer a alimentação de doentes de circulação e do metabolismo, assim como na anemia.

Comentários