Preparação de grãos germinados

Preparação de grãos germinados

O nutricionista emprega os grãos germinados no seu regime dietético. Para a preparação propõe a seguinte receita: os grãos de trigo e de centeio limpos, da última colheita, misturam-se em partes iguais, e de noite recobrem-se de água em pequenas taças de sobremesa ou recipientes análogos. Na manhã seguinte, escorre-se a água completamente e deixam-se repousar os grãos sem água durante todo o dia para voltar a recobri-los de água durante a noite, repetindo assim a operação até que o gérmen fique claramente visível, isto é, até que este adquira um comprimento aproximado de 1,2 cm, mas sem prolongar o proceso até que os gérmens atinjam o seu comprimento total,.

Batatas

Batatas

Os tubérculos de batatas armazenados não são de modo algum tecidos mortos. Pelo contrário, o componente principal, a fécula, vai-se transformando, parcial e continuamente, em açúcar na obscuridade do recinto fechado. Este processo de respiração só se detém nas batatas geladas por falta de transformação do açúcar, o que da então à batata um sabor doce. A diminuição das perdas pela geladura, podridão, germinação, ou outras causas, consegue-se depositando as batatas seleccionadas em tabuleiros de fasquia de madeira, num sótão seco, escuro e fresco. Composição A fécula de batata é o principal componente deste nutritivo tubérculo, porque 100 g de batata contêm, em média, 21 g de amido (fecula). O.

Valor terapêutico dos óleos de gérmen

Valor terapêutico dos óleos de gérmen

Os óleos de consumo corrente, de cor clara e sabor absolutamente normal, sob o ponto de vista da nutrição natural são alimentos desvalorizados, pois já passaram por uma série de processos químicos que lhes fizeram perder a sua eficácia natural de protecção. Estes óleos só chegam ao comércio depois de haverem sido desacidulados, desaromatizados e neutralizados. Ficam, portanto, privados das suas características naturais sob o ponto de vista alimentar, convertendo-se em simples fontes de calorias. Os óleos de gérmen cereal não só são portadores de calorias como também de ácidos gordos de grande eficácia biológica. Os óleos de gérmens cereais possuem, portanto, ainda mais que o gérmen de trigo propriamente.

O gérmen de trigo na diabetes

O gérmen de trigo na diabetes

O nutricionista considera eficaz o emprego da vitamina B1 nos diabéticos, por produzir efeitos semelhantes aos da insulina. Não pode, decerto, substituir a insulina; mas é provável que facilite em alto grau o acesso da insulina às células orgânicas. Também a vitamina E exerce o efeito de reduzir a quantidade de açúcar no sangue, como se demonstrou experimentalmente, embora ainda não esteja totalmente explicado o mecanismo de acção. Como os gérmens de trigo constituem uma combinação natural destas matérias activas, o seu valor dietético para a diabetes é extraordinário. Com um consumo diário de quatro a cinco colheradas grandes cheias de gérmens de trigo, reduz-se nitidamente o excesso de açúcar.

Os grãos de cereais, alimento universal

Os grãos de cereais, alimento universal

Os cereais têm constituído em todos os povos civilizados e com todos os tempos a base da alimentação, embora o aproveitamento e o emprego de cada espécie cereal, ao longo da História, se tenha visto submetido a frequentes mudanças. A mesma variação tem tido e ainda hoje continua a ter o método de preparação dos grãos. A maior parte deles e os mais importantes pertencem à família das Gramíneas, como, por exemplo, as duas variedades mais seletas de cereais panificáveis, o centeio (Secale cereale) e o trigo (Triticum vulgare) e, além disso, a cevada (Hordeum distichum), a aveia {Avena sativa), o milho-miúdo (Panicum miliaceum) e o milho grosso ou vulgar.