Arandos

Arandos

O arando ou erva do monte (Vaccinium myrtillus) pertence à família das Eriáceas. Os arandos são frequentes nas montanhas do Alto Minho, e nas Serras do Marão e Estrela. Os frutos maduros são de cor azul-escura brilhante, com sumo violeta-escuro e muitas sementes pequenas pardas. A cor das folhas permanece inalterada na dessecação e têm um ligeiro sabor adstringente. Conservam-se em saquinhos. Os frutos maduros são colhidos à mão. Guardam-se em baldes ou em cestos; para os secar, estendem-se numa só camada, durante alguns dias. Têm um sabor agridoce e levemente adstringente. Conservam-se em caixas. Há que inspeccioná-los com certa frequência. Composição Nas folhas encontra-se tanino, ácido málico, ácido cítrico.

Faia (Landes Da)

Faia (Landes Da)

A faia (Fagus sylvatica) encontra-se em várias regiões da Península Ibérica, onde tem várias designações. Pertence, como o castanheiro, de que já falámos, à família das Fagáceas. Os conhecidos frutos triangulares de cor parda-avermelhada constituem um alimento muito cobiçado pela fauna dos bosques, sendo infelizmente pouco apreciados pelo homem. Não é aconselhável o consumo de grandes quantidades destas landes, porque produzem, às vezes, dores de cabeça e náuseas. A casca contem fagina, matéria tóxica para homens e animais. O óleo, depois de quente, fica liberto de produtos nocivos e pode empregar-se vantajosamente na cozinha, como qualquer azeite.

Groselhas vermelhas

Groselhas vermelhas

A groselheira vermelha (Ribes rubrum) é irmã da negra. Espontânea nos matos, encontra-se nas montanhas e apresenta-se com vários nomes. Composição Os médicos medievais apreciavam a groselha, tanto a vermelha como a negra, em todas as doenças agudas dos órgãos digestivos. Isto compreende-se pela sua composição: elevado conteúdo de água (87,4 %), albumina escassa (0,88%), poucos hidratos de carbono (8,5%), poucas matérias minerais (0,63 %) e reduzido número de calorias (46). Pelo contrário, abundante conteúdo de ácidos de fruta (2,5 % de ácidos tartárico, cítrico e malónico), vitamina C (155 mg em 100g) e vitamina B1 (0,08 mg em 100 g).   Emprego como planta medicinal A groselha vermelha em.

Cocos

Cocos

Nos trópicos o coco (Cocos nuccifera) é muito apreciado tanto pelos brancos como pelos nativos, por causa da sua polpa branca e substanciosa e pelo refrescante leite, tudo protegido por uma duríssima casca. A polpa e o leite de coco constituem um alimento geral naquelas regiões, pois podem ter diversas aplicações. Pode ser ralado, assado, cozido e empregar-se em numerosos preparados. Também são quase imprescindíveis na cozinha tropical o óleo e a gordura do coco. As pouco exigentes palmeiras de cocos não só facilitam aos indígenas os cocos, cuja casca lhes serve muitas vezes de vasilha, como também as folhas para os tectos das cabanas de barro; o miolo vende-se.

Uvas

Uvas

Nalgumas regiões da Península Ibérica encontra-se, espontaneamente, a Vitis labrusca ou videira silvestre. Mas o número de variedades obtidas a partir da videira cultivada (Vitis vinifera), que se exploram tradicionalmente para consumo de mesa, é enorme. Composição Entre os elementos activos e na composição do sumo de uvas, encontramos: água 72,92 %, albumina 0,38 %, glicose 23,51 %, outros hidratos de carbono 2,23 %, cremor tártaro 0,52%, ácido tartárico 0,29 %, outros ácidos 0,29 % e minerais 0,50 %. O valor calórico é reduzido. 100 gramas de uvas contêm apenas 79 calorias. Também não é grande o conteúdo em vitaminas. Modo de acção O aproveitamento das uvas é muito variado..