Mudanças na alimentação

Mudanças na alimentação

A alimentação natural O decisivo e, para o nosso estudo, o mais importante são as deformações da nossa alimentação, conforme já se vêm produzindo de há séculos a esta parte. Estão estreitamente relacionadas com a civilização e a técnica. Antigamente, os povos da Terra alimentavam-se de modos muito diversos. A base da alimentação era para uns o arroz e para outros o milho e entre nós os cereais panifiçáveis. A necessidade de carne satisfazia-se mediante a pesca, a caça ou, na maioria dos casos, mediante a criação de gado. Nos países tropicais consumiam-se, sobretudo, gorduras vegetais, e nos países árticos quase unicamente gorduras animais. O consumo de vegetais e de fruta.

A civilização, cultura organizada

A civilização, cultura organizada

A civilização, pelo contrário, é apenas uma parte da cultura, exactamente o seu aspecto técnico. É componente essencial da cultura, necessária para poder levar a efeito as suas ideias e teorias. A civilização é um produto da razão, um instrumento de que o homem se serve, um meio para alcançar um fim, por isso muito diferente, porque leva consigo o perigo de que os homens não a dominem, mas que sejam dominados por ela. Involuntariamente, pensa-se na «vida burguesa» quando se ouve a palavra «civilização», precisamente porque procede do vocábulo latino «civis» (homem da cidade, do burgo). Todas as circunstâncias precisas para a forma de vida de uma comunidade humana, como a legislação, administração,.

A posição do problema

Tem-se vindo a considerar, insistentemente, a cultura e a civilização como causas de numerosas enfermidades, até se ter chegado, finalmente, à criação de conceitos como «praga da cultura» e «doenças de civilização». Hoje em dia, compreendem estas expressões, tanto na lileratura técnica como na popular sobre problemas sanitários, uma série de enfermidades do metabolismo e da nutrição, como a carie dentária, a parendentose, a úlcera de estômago, a diabetes, a obesidade, as doenças do fígado, vesícula, rins, coração e vasos, assim como o reumatismo, o cancro e a tuberculose.   Um observador superficial poderia tirar a conclusão de que a «cultura» e a «civilização» são coisas não desejáveis e, inclusivamente,.

Vitamina A

Vitamina A

Denominação química Axerftol Função característica Vitamina de protecção epitelial, anti-infecciosa e antixeroftálmica Modo de actuação Para o estado e função normais da pele, mucosas e outras células de revestimento das glândulas salivares. Protege o fígado. É provável a sua considerável influência no desenvolvimento corporal. Fontes naturais Nas plantas como provitaminas (carotenos). As principais fontes vegetais de vitamina A são: • Favas • Cevadas • Laranjas As fontes animais são: • Óleo de fígado de bacalhau • Manteiga • Gema de ovo • Leite completo • Nata • Queijo Necessidades diárias do homem Adultos: 5000 U.I (Unidades Internacionais) aproximadamente 6000 U.I na gravidez, aproximadamente 8000 U.I na amamentação, aproximadamente Crianças: Menos.

Substituição de alimentos crus por cozidos

Substituição de alimentos crus por cozidos

Experiências significativas  O efeito da substituição de alimentos crus ou frescos por alimentos cozidos foi muito discutido e levou a grandes divergências e a normas de nutrição bastante extremadas e estritas. Especialmente, causaram notável impressão os ensaios sobre comida cozida, dando lugar a numerosas comprovações. Posição eclética  Não podemos deixar de reconhecer que a panela na cozinha não trouxe só males, mas também vantagens. Mediante o processo da cocção puderam aproveitar-se, pela primeira vez,numerosos produtos naturais para a alimentação humana, o que implicou uma considerável ampliação da alimentação básica. A cocção facilita ao intestino a absorção dos alimentos e evita-lhe assim parte do seu trabalho, ou é a única maneira de.