O agrião comum ou de poço (Nasturtium officinale) pertence à família das Crucíferas. Frequente nas fontes, regatos, solos encharcados, cresce espontaneamente, mas é cultivado nalguns locais.

Pode confundir-se com o Sium Latifolium. umbelífera tóxica que também se dá nos cursos de água. Colhem-se-lhe as folhas de Fevereiro até o Outono. As folhas recolhidas antes da floração empregam-se cruas para saladas. Secos, os agriões têm um sabor indefinido.

Composição e propriedades

Os elementos activos até hoje conhecidos são: óleo essencial com teor de enxofre, vitaminas A, B, C e E, iodo, nitrato, um glicósido de óleo de mostarda (a gliconasturina que, decompondo-se, produz, entre outros elementos, um óleo essencial com óleo feniletílico de mostarda), ácido sulfociânico e vestígios de arsénico e diastases.

A sua riqueza vitamínica (A, B, C e E) torna-se muito apropriada para a prevenção contra as doenças por falta de vitaminas, nos começos da Primavera, em que dispomos de poucos alimentos frescos. Por isso, noutros tempos, o agrião era empregado, com frequência, contra o escorbuto.

O teor em óleo de mostarda provoca um aumento de secreção das mucosas do nariz, garganta e traqueia, o que a toma apreciada nos casos de tosse seca, de expectoração persistente e de mucosidade purulenta. Esse mesmo elemento activo produz nas vias gastrintestinais um aumento no funcionamento das glândulas e dos órgãos de secreção, como o fígado e o pâncreas. A isso é que se deve o efeito tónico e gástrico, a maior facilidade de digestão e a abundância de produção biliar.
Um consumo demasiado abundante pode provocar, contudo, desagradáveis inflamações das mucosas do estômago e do intestino.

Como a eliminação é feita, em parte, pelos rins, produz-se um aumento na expulsão da urina, o que pode ser de proveito nas doenças relacionadas com a insuficiente eliminação da urina. Mas também não se deve fazer um consumo abusivo, porque o efeito, em vez de ser curativo, seria prejudicial, ao provocar uma irritação inflamatória dos rins. O seu teor em minerais básicos, ferro e iodo proporciona ao agrião uma considerável influência nos processos de alimentação, utilizando-se às vezes com êxito contra a hipertrofia da tiróide. Fica por demonstrar a suposição de que o seu consumo faz baixar a quantidade de açúcar no sangue dos diabéticos. Todo o complexo de alimentos constitutivos exerce uma lógica e compreensível influência no metabolismo, de modo que o agrião pode ser considerado como bom depurador do sangue, estando à nossa disposição durante quase lodo o ano.

Usos medicinais

Nas doenças por insuficiência vitamínica, metabolismo defeituoso, fadiga primaveril, eczemas, transtornos de secreção da tiróide. A maior importância do agrião e como depurador do sangue. Para isso faz-se passar pelo espremedor da fruta e toma-se, ires vezes por dia, uma colher grande do suco (preparando-o todos os dias ou conservando-o no frigorífico), diluído em água corrente, água mineral ou soro de leite.

Emprego como verdura e condimento

Por essa mesma capacidade depurativa do sangue, o agrião é parte essencial na preparação de sopas e saladas de primavera. O seu emprego exclusivo como salada não é recomendável por causa do perigo de Irritação dos rins. O melhor é misturá-lo com urtigas, dente de leão, azedas e tanchagem. Também se pode empregar com dentes de leão, fumaria e chicória.
Consome-se o agrião muito picado em sanduíches, batatas fritas, ovos cozidos, tomates e saladas. E importante lavar cuidadosamente as folhas, antes de as utilizar, porque podem conter larvas. O melhor é deixá-las meia hora em água com sal e lavá-las depois cm água corrente.

Comentários