No tratamento da paralisia infantil (poliomielite), conforme as experiências obtidas durante os últimos anos, volta-se a dar grande importância à alimentação. Em todas as doenças infecciosas produz-se durante a fase aguda um maior consumo de proteínas, gorduras, vitaminas e fermentos. Isto
exige também a paralisia infantil, expressando-se tal facto com a perda considerável de peso durante as primeiras três a seis semanas. A perda de substância orgânica é de grande importância para a capacidade defensiva nesta grave doença. As substâncias defensivas estão geralmente unidas com um núcleo
proteínico e devem estar representadas na alimentação diária.
Verifica-se realmente nos três primeiros dias nos doentes de paralisia infantil um crescente aumento de proteínas no sangue. Parece que a infecção levanta obstáculos à formação de matérias proteínicas celulares e de hemoglobina. A insuficiência de vitamina B1 (aneurina) e de vitamina B2 (lactoflavina) assume grande importância. O médico mexicano Dr. Caslaneda deu boas informações acerca do bom resultado conseguido com o emprego de vitamina C e de vitamina B12; o tratamento aplaca imediatamente as dores e os espasmos musculares. Alem disso, a vitamina B12 faz com que a recuperação
da função muscular seja mais rápida. Isto é uma indicação de que a melhor profilaxia contra a paralisia infantil consiste numa alimentação que contenha também as citadas vitaminas em quantidade suficiente.
Com respeito à profilaxia simples e natural, são muito de ter em conta as experiências que mostram o efeito preventivo do alho. Quando aparece a epidemia, deve empregar-se abundantemente este velho remédio da medicina popular.
Conseguiram-se bons resultados com o consumo de um regime complementar que contém todos os alimentos importantes: proteínas, gorduras, hidrocarbonatos, minerais e vitaminas. Acrescenta-se ao regime para estes efeitos uma bebida que é uma emulsão de gorduras, albumina, ovos, xarope de
cereais e leite. Este regime acrescenta-se às refeições correntes.
Uma colher pequena ou grande de doce dc noz ou de amêndoa misturada com uma colher pequena de mel puro numa chávena de chá, dada a beber lentamente aos goles, torna-se para os doentes de paralisia infantil um alimento energético em que figuram todas as matérias nutritivas e funcionais necessárias para o tratamento dietético.
Uma ou outra vez, toma-se metade da quantidade de doce de noz ou de amêndoa completando com a gema de um ovo.

Comentários