O gérmen de trigo na diabetes

O gérmen de trigo na diabetes

O nutricionista considera eficaz o emprego da vitamina B1 nos diabéticos, por produzir efeitos semelhantes aos da insulina. Não pode, decerto, substituir a insulina; mas é provável que facilite em alto grau o acesso da insulina às células orgânicas. Também a vitamina E exerce o efeito de reduzir a quantidade de açúcar no sangue, como se demonstrou experimentalmente, embora ainda não esteja totalmente explicado o mecanismo de acção. Como os gérmens de trigo constituem uma combinação natural destas matérias activas, o seu valor dietético para a diabetes é extraordinário. Com um consumo diário de quatro a cinco colheradas grandes cheias de gérmens de trigo, reduz-se nitidamente o excesso de açúcar.

A experiência dos puericultores

Os médicos de crianças têm observado desde há muito tempo que mediante a limitação do consumo de sal na alimentação se pode influir na hidratação dos tecidos orgânicos. Consegue-se assim com uma alimentação pobre em sal drenar e curar as inflamações purulentas da pele e da mucosa e, sobretudo, dos eczemas úmidos.

Limões e laranjas

Limões e laranjas

Quando antigamente nas cidades sitiadas, nas grandes viagens por mar, nas expedições polares, havia insuficiência de alimentos frescos, surgia nos habitantes ou nos viajantes uma doença que Cordus descreveu pela primeira vez, em 1534: o escorbuto. Bem depressa se compreendeu, também, que os vegetais verdes e as frutas podiam evitar e curar a doença. Sabemos hoje que tal doença é causada sobretudo pela falta de vitamina C, substância esta que em 1928 Szent-Gyôrgly conseguiu isolar como corpo químico puro e mais tarde se chamou ácido ascórbico. Os marinheiros holandeses já haviam descoberto, no século XVI, o efeito antiescorbútico dos limões (Citrus limonurti) e das laranjas (Citrus aurantium) e realmente as.

A civilização, cultura organizada

A civilização, cultura organizada

A civilização, pelo contrário, é apenas uma parte da cultura, exactamente o seu aspecto técnico. É componente essencial da cultura, necessária para poder levar a efeito as suas ideias e teorias. A civilização é um produto da razão, um instrumento de que o homem se serve, um meio para alcançar um fim, por isso muito diferente, porque leva consigo o perigo de que os homens não a dominem, mas que sejam dominados por ela. Involuntariamente, pensa-se na «vida burguesa» quando se ouve a palavra «civilização», precisamente porque procede do vocábulo latino «civis» (homem da cidade, do burgo). Todas as circunstâncias precisas para a forma de vida de uma comunidade humana, como a legislação, administração,.

Azeitona e o seu azeite

Azeitona e o seu azeite

Diz um adágio antigo que o azeite tira todo o mal, indicando assim o que ele representa para o homem. A oliveira (Olea europaea) é uma árvore que atinge de 6 a 10 metros de altura com abundantes ramificações. Actualmente, cultivam-se numerosas variedades de oliveira: na Península Ibérica, nos países mediterrânicos, na Califórnia, na União Sul-Africana e no sul da Austrália. A cultura da oliveira é muito antiga. Os Sumérios, os primitivos habitantes do sul da Babilónia, já conheciam a oliveira, no ano 4.000 antes da nossa era; os Egípcios também mencionam o azeite da oliveira no Papiro de Eber, três milénios antes da Era Cristã. Composição das azeitonas As.